'É uma demonstração de respeito da PM com a vontade da população. Quando não tem repressão, a gente consegue fazer uma ato controlado', disse um dos líderes do Passe Livre

Manifestantes que protestam pela redução da tarifa de ônibus em São Paulo protagonizaram uma cena de conciliação com a Polícia Militar quatro dias depois da repressão violenta contra os protestos na semana passada.

Dia 13: Em noite violenta, PM atirou até em quem pedia 'não machuquem os meninos' em SP

Governo de SP:  Alckmin proíbe balas de borracha em manifestações

Matheus Preis, um dos líderes do Movimento Passe Livre, pediu que os manifestantes se sentassem pacificamente na Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, no sudoeste de São Paulo, e convidou o major Paulo Wilhelm de Carvalho, da Polícia Militar, a se unir ao ato. Ao aceitar o pedido, foi aplaudido. Veja o vídeo da repórter Susan Souza:

Dilma sobre os protestos: ‘É próprio dos jovens se manifestarem’

Pedido pessoal: Comandante-geral da PM pede protesto contra mensalão

"É uma demonstração de respeito da PM com a vontade da população. Isso é muito importante. Estamos vivendo uma experiência que a gente nunca viveu. Hoje está muito diferente do que na quinta-feira, quando a gente foi reprimido. Quando não tem repressão, a gente consegue fazer uma ato controlado", afirmou Preis.

Veja imagens do protesto em São Paulo:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.