No encontro, serão apresentadas aos conselheiros propostas sobre a transporte na capital, bem como a composição do preço da passagem de ônibus na capital paulista

Agência Estado

Manifestantes ocuparam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem
Renan Tuffi/iG São Paulo
Manifestantes ocuparam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem

A Prefeitura de São Paulo informou que fará uma reunião extraordinária na terça-feira (18) para discutir a questão do transporte público na capital paulista. Representantes do Movimentos Passe Livre (MPL), organizador dos últimos quatro grandes protestos pela redução da tarifa de ônibus na cidade, foram chamados à mesa, que terá como interlocutores membros do Conselho da Cidade - órgão consultivo da sociedade civil criado no dia 26 de março.

Em noite violenta, PM atirou até em quem pedia 'não machuquem os meninos'

O MPL informou que está analisando a proposta e que é a primeira vez que é convidado pelo prefeito Fernando Haddad (PT) para conversar. A administração municipal, por sua vez, afirma que já foram feitos outros convites, que teriam sido recusados pelo movimento. Uma nova manifestação, a quinta encabeçada pelo Passe Livre, está marcada para a segunda-feira (17), às 17h, no Largo da Batata, em Pinheiros.

Leia também:

‘Foi desproporcional’, diz pesquisador da USP sobre ação da PM em protesto em SP

Veja imagens e o que dizem personagens do protesto contra aumento da passagem

PM prende, agride e impede trabalho de jornalistas em protesto em São Paulo

No encontro, segundo nota da Prefeitura divulgada nesta sexta-feira (14) serão apresentadas aos conselheiros propostas sobre a transporte na capital, bem como a composição do preço da passagem de ônibus. Também será mostrada a evolução dos subsídios dados pela Prefeitura ao longo dos anos no transporte público.

O reajuste da passagem de ônibus na capital, no dia 2 de junho, desencadeou quatro grandes atos na cidade desde quinta-feira passada (6). Liderados pelo Passe Livre, os manifestantes pedem que a tarifa, hoje em R$ 3,20, volte para um patamar menor ou igual a anterior, de R$ 3,00.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.