Repórter é baleada no olho com bala de borracha durante protesto em São Paulo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Giuliana Vallone diz que estava em um estacionamento na rua Augusta quando uma viatura da Rota se aproximou em baixa velocidade e um PM que estava no banco de trás atirou

Uma repórter do jornal Folha de S. Paulo foi baleada no olho com uma bala de borracha na noite desta quinta-feira durante protesto contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo. Segundo Giuliana Vallone, da TV Folha, ela estava em um estacionamento na rua Augusta quando uma viatura da Rota se aproximou em baixa velocidade e um PM que estava no banco de trás atirou contra ela. Internada no Hospital Sírio-Libanês, ela não corre risco de perder a visão.

A manifestação: 4º protesto contra tarifa termina com mais 230 presos em São PauloJornalista detido por 'porte de vinagre' durante protesto é liberado em São Paulo
PM prende, agride e impede trabalho de jornalistas em protesto em São Paulo

Policiais atiram contra manifestantes nesta quinta-feira, em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressJovens são detidos durante manifestação na região central de São Paulo. Foto: Euclides Oltramari Jr / Futura PressManifestantes ocupam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloManifestantes ocupam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloManifestantes ocupam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloFogo na Praça do Patriarca durante protesto contra o aumento das tarifas do transporte coletivo na cidade. Foto: Futura PressManifestantes na avenida Angélica durante o 4º dia de protesto pela redução da tarifa de ônibus. Foto: Renan Truffi/iG São PauloDepredração de ônibus na Praça do Patriarca durante protesto. Foto: Futura PressManifestantes ocupam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressAproximadamente 20 manifestantes são presos na Praça do Patriarca durante o protesto contra o aumento das tarifas do transporte coletivo na cidade, no centro. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes se reúnem em frente ao Teatro Municipal no centro de São Paulo, no 4º dia de protestos contra o aumento na passagem de ônibus. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes se reúnem em frente ao Teatro Municipal no centro de São Paulo, no 4º dia de protestos contra o aumento na passagem de ônibus. Foto: Futura PressManifestantes se reúnem em frente ao Teatro Municipal no centro de São Paulo, no 4º dia de protestos contra o aumento na passagem de ônibus. Foto: Futura PressMilitares prendem manifestantes na Rua Xavier de Toledo com vinagre e tintas antes que chegassem no protesto contra o aumento das tarifas . Foto: Luiz Claudio Barbosa/Futura PressMilitares prendem manifestante antes que chegassem no protesto contra o aumento das tarifas do transporte coletivo na cidade, na frente do Theatro Municipal, centro de SP. Foto: Euclides Oltramari Jr / Futura Press

Em sua página no Facebook, a repórter explicou que em nenhum momento provocou os policiais e possuía uma identificação do jornal. "Vi o policial mirar em mim e no querido colega Leandro Machado e atirar. Tomei um tiro na cara. O médico disse que os meus óculos possivelmente salvaram meu olho."

Após exames, ainda segundo a vítima, a tomografia mostrou que ela não sofreu fraturas nem danos neurológicos. "A maior preocupação era o comprometimento do meu olho, que sofreu uma hemorragia por causa da pancada. Felizmente, meu globo ocular não aparenta nenhum dano", disse em relato em sua página na rede social.

Repórteres do Estado de S. Paulo também presenciaram ações questionáveis da Rota. Dois deles foram alvos de uma ação semelhante, na qual uma viatura se aproximou e disparou bombas de gás lacrimogêneo tentando acertá-los. Não havia conflito e nenhuma concentração de manifestantes na ocasião.

A Secretário de Segurança Pública de SP, Fernando Grella, afirmou em nota que determinou que a Corregedoria da Polícia Militar apure episódios envolvendo fotógrafos e cinegrafistas durante a manifestação.

*com Agência Estado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas