PM prende, agride e impede trabalho de jornalistas em protesto em São Paulo

Por Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Reportagem do iG foi impedida várias vezes pela PM de fazer imagens das cenas de violência. Quem se recusava a cumprir a ordem corria o risco de ser detido

Jornalistas que cobriam a manifestação pela redução da tarifa de ônibus nesta quinta-feira (13) foram detidos, agredidos e impedidos de trabalhar pela Polícia Militar. Por volta das 17h, antes mesmo do início do protesto, o repórter da revista Carta Capital Piero Locatelli foi detido no Largo do Patriarca. Ele foi acusado de portar um tubo com vinagre. O tradicional tempero para saladas é usado como antídoto contra os efeitos do gás lacrimogêneo. Segundo a PM, a mistura de vinagre com bicabornato de sódio pode ser usada como explosivo. Locatelli foi levado para a delegacia e liberado em seguida.

A manifestação: Protesto contra aumento das passagens tem ao menos 100 detidos em São Paulo
- Jornalista detido por 'porte de vinagre' durante protesto é liberado em SP
- Repórter é baleada no olho com bala de borracha durante protesto em São Paulo
- Haddad diz que valor da passagem será mantido e repudia violência dos protestos

Policiais atiram contra manifestantes nesta quinta-feira, em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressJovens são detidos durante manifestação na região central de São Paulo. Foto: Euclides Oltramari Jr / Futura PressManifestantes ocupam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloManifestantes ocupam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloManifestantes ocupam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloFogo na Praça do Patriarca durante protesto contra o aumento das tarifas do transporte coletivo na cidade. Foto: Futura PressManifestantes na avenida Angélica durante o 4º dia de protesto pela redução da tarifa de ônibus. Foto: Renan Truffi/iG São PauloDepredração de ônibus na Praça do Patriarca durante protesto. Foto: Futura PressManifestantes ocupam as ruas no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressAproximadamente 20 manifestantes são presos na Praça do Patriarca durante o protesto contra o aumento das tarifas do transporte coletivo na cidade, no centro. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes se reúnem em frente ao Teatro Municipal no centro de São Paulo, no 4º dia de protestos contra o aumento na passagem de ônibus. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes protestam pelo 4º dia contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Futura PressManifestantes se reúnem em frente ao Teatro Municipal no centro de São Paulo, no 4º dia de protestos contra o aumento na passagem de ônibus. Foto: Futura PressManifestantes se reúnem em frente ao Teatro Municipal no centro de São Paulo, no 4º dia de protestos contra o aumento na passagem de ônibus. Foto: Futura PressMilitares prendem manifestantes na Rua Xavier de Toledo com vinagre e tintas antes que chegassem no protesto contra o aumento das tarifas . Foto: Luiz Claudio Barbosa/Futura PressMilitares prendem manifestante antes que chegassem no protesto contra o aumento das tarifas do transporte coletivo na cidade, na frente do Theatro Municipal, centro de SP. Foto: Euclides Oltramari Jr / Futura Press

Pouco depois da detenção de Locatelli, o repórter Henrique Peirange, do jornal Metro, e outros três fotógrafos levaram um jato de spray de pimenta de um policial enquanto tentavam obter informações sobre os detidos, entre os quais estava uma jornalista da TV Folha, liberada depois de alguns minutos.

A reportagem do iG foi impedida várias vezes pela PM de fazer imagens das cenas de violência. Quem se recusava a cumprir a ordem corria o risco de ser detido. Foi o caso da repórter Marina Novaes, do portal Terra, que chegou a ser lavada para um camburão quando cobria a manifestação na Praça Roosevelt. Ela foi solta graças a uma policial da Tropa de Choque.

Por volta das 20h a PM abriu fogo contra um grupo de jornalistas na rua Augusta. A repórter da Folha de S. Paulo Giuliana Vallone levou uma bala de borracha no rosto, os fotógrafos Fabio Braga e Marlene Bergamo, também da Folha, foram atingidos com balas no rosto, virilha e perna, respectivamente.

Na manifestação de terça-feira outros três jornalistas foram detidos pela PM.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas