Durante protesto desta quinta, juiz manda soltar 10 presos da última terça-feira

Por Cinthia Rodrigues - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Mãe de estudante transferido três vezes até parar em Tremembé está a caminho: "Espero que não tenham raspado cabelo"

Na noite desta quinta-feira, enquanto as imagens da repressão policial eram veiculadas, o juiz Eduardo dos Santos Pereira Júnior determinou a soltura de 10 presos por dano ao patrimônio e formação de quadrilha durante o protesto da última terça-feira. Durante um dia e meio, todos os pedidos da defesa haviam sido negados, ontem a noite foi aceito apesar do parecer em contrário do Ministério Público. "A mudança de orientação da polícia, que dessa vez (na quinta) só mandava para averiguação na delegacia também repercute na Justiça", comentou Maria Cecília Fazzini Cardial, que está a caminho do presídio de Tremembé com a decisão judicial.

Leia também: "Não consigo ver meu filho", diz mãe de estudante preso em protesto

Gabriela Bilo/Futura Press
Policiais atiram contra manifestantes nesta quinta-feira, em São Paulo

O filho dela, o estudante Júlio Henrique Cardial Camargo, 21 anos, a amiga dele Stephanie Fenselau, 25 anos, e outras oito pessoas ficarão em liberdade provisória mediante pagamento de fiança de dois salários mínimos cada, segundo o advogado do grupo, Alberto Albiero Júnior. O grupo foi preso em flagrante no ato da terça-feira. Segundo o Boletim de Ocorrência, dois deles atearam fogo em uma base móvel da Polícia Militar na avenida Paulista, um terceiro agiu de forma agressiva. Não fica clara a participação dos demais pelo histórico do documento, mas como a acusação é de formação de quadrilha, não foi possível estabelecer fiança e todos estão "presos", ainda que em liberdade provisória, até que sejam julgados. 

"Dois que já foram soltos saíram com a cabeça raspada. Não quero encontrar meu filho assim. Ele não é bandido", lamenta Cecília, que não fala com o jovem desde a tarde da manifestação, quando tentou convencê-lo a não participar ao ver da janela do escritório na avenida Paulista a quantidade de policiais que esperavam o ato. 

Veja o boletim de ocorrência que levou a prisão:

Reprodução
Histórico do Boletim de Ocorrência que descreve o que ocorreu. A participação de Júlio não fica clara


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas