Secretaria diz que 11 seguem presos por crimes de lesão corporal e formação de quadrilha. "Solidariedade é maior que todas as celas!", diz integrante do movimento em rede social

Agência Estado

O Movimento Passe Livre (MPL), que organiza os protestos contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo, está arrecadando fundos pela internet para pagar a fiança de R$ 20 mil estabelecida para um dos manifestantes detidos na noite dessa terça-feira (11). Ao menos 20 pessoas foram presas durante o protesto na avenida Paulista e na rua da Consolação.

Mais: Onze continuam presos após protesto contra aumento de passagem em SP
Veja imagens do confronto entre policiais e estudantes no centro de São Paulo

Ontem: Protesto contra aumento da passagem tem confronto com a PM e depredação

Até a manhã desta quarta-feira, 11 manifestantes continuavam presos acusados de crime de dano, lesão corporal, desacato à autoridade e formação de quadrilha, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Semana passada: Protesto contra aumento de tarifa tem confronto com Tropa de Choque
São Paulo: Tarifas de ônibus, trem e Metrô vão subir para R$ 3,20 em junho
3 de junho: Manifestantes protestam contra alta da tarifa de ônibus em São Paulo

"O governo de São Paulo acha que vai parar as manifestações com a repressão policial e cobrando fianças de R$ 20 mil! Vamos mostrar que nossa solidariedade é maior que todas as celas! Liberdade aos(às) presas políticos(as) do Haddad e tarifa zero já!", diz o movimento na página em que faz a arrecadação.

De acordo com a pasta, uma pessoa que responde por dano ao patrimônio público teve a fiança estabelecida em R$ 20 mil. Outros dois manifestantes presos em flagrante por picharem a lateral do prédio do Tribunal de Justiça e jogarem pedras nos policiais tiveram a fiança fixada em R$ 3 mil.

Até às 10h45, o grupo havia arrecado R$ 980 através do site Vakinha.com.br, o que equivale a quase 5% do montante necessário. O MPL também disponibilizou, em sua página no Facebook, dados de uma conta bancária para as doações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.