Cadeirante morre após ser queimado durante discussão no interior de SP

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Geraldo Evangelista de Almeida foi queimado com gasolina pelo eletricista Valmir Aparecido Alves, de 39 anos, em frente a um bar na Vila Aparecida, na cidade de Itapeva

Agência Estado

O cadeirante Geraldo Evangelista de Almeida, de 42 anos, morreu nesta segunda-feira (10) após ter o corpo incendiado durante uma discussão em Itapeva, no sudoeste paulista. Ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Centro de Tratamento de Queimaduras de Tatuapé, na zona leste da capital, e não resistiu à gravidade das queimaduras. Almeida foi queimado com gasolina pelo eletricista Valmir Aparecido Alves, de 39 anos, em frente a um bar na Vila Aparecida. De acordo com a Polícia Civil, o suspeito e a vítima tinham envolvimento com o tráfico de drogas.

Leia também: Delegado acusado de agredir cadeirante é condenado

O crime aconteceu no dia 25 de maio. Após discutir com o cadeirante, Alves foi até sua casa e retornou com o combustível. Ele despejou o líquido e ateou fogo. Moradores usaram extintores para apagar as chamas que envolviam o corpo de Almeida. A vítima foi internada na Santa Casa local com 75% do corpo com queimaduras de primeiro, segundo e terceiro graus. O acusado chegou a ser detido, mas foi liberado para responder pelo crime de lesões corporais.

O cadeirante ficou à espera de vaga em unidade especializada no tratamento de queimados, mas a transferência para o hospital de Tatuapé só ocorreu no último dia 3. O corpo de Almeida foi sepultado em Itapeva. Com a morte da vítima, o delegado Paulo Roberto Fonseca, do 3º Distrito Policial, vai pedir a prisão preventiva do autor do crime. Ele será indiciado por homicídio doloso - com intenção de matar.

Leia tudo sobre: cadeiranteitapevadiscussãosão paulo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas