Reforma da Feira da Madrugada começa nesta segunda-feira, em São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Prefeitura espera que a duração estimada para as obras no local é de 60 dias. A previsão é de que a reforma custe cerca de R$ 4 milhões

Agência Estado

A reforma do espaço onde acontece a Feira da Madrugada, no Brás, na região central de São Paulo, começa nesta segunda-feira (03). Após uma briga judicial entre a prefeitura e os comerciantes, a feirinha foi fechada na última quarta-feira (29). Em nota, a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT), informou que a duração estimada para as obras no local é de 60 dias. A previsão é de que a reforma custe cerca de R$ 4 milhões.

Entenda: Prefeitura de SP determina o fechamento temporário da Feira da Madrugada
Recurso: Liminar da Justiça mantém a Feira da Madrugada funcionando

Marcelo Camargo/ABr
Retirada de mercadoria da Feira da Madrugada, na última quarta-feira

No dia 24 de maio, o Tribunal Federal Regional da 3ª Região (TRF3) cassou uma liminar que garantia o funcionamento da Feira da Madrugada. A decisão do TRF atendeu o pedido de fechamento da prefeitura, que alega risco de incêndio e necessidade de reformas no local onde acontece a feirinha.

Os comerciantes protestaram contra o fechamento na última quarta, ocupando a avenida do Estado e a rua São Caetano durante toda a madrugada. Eles queriam ser responsáveis pelas reformas de adequação, garantindo assim o funcionamento normal da feirinha durante as obras. Uma liminar do Corpo de Bombeiros, no entanto, confirmou os argumentos da prefeitura.

Se a reforma ocorrer dentro do prazo, a Feira da Madrugada deve reabrir na primeira semana de agosto. Na semana passada, Haddad garantiu a reabertura da feirinha com todos os comerciantes cadastrados, assim que os bombeiros liberarem o seu funcionamento.

No início do ano, uma série de reportagens do iG mostrou a falta de condições da feira. O comércio sigiloso e ilegal das barracas , a insegurança de suas instalações , a forma de administração irregular por parte da prefeitura e a base do Samu inapropriada para o atendimento médico no local foram retratadas nas reportagens.

Leia tudo sobre: feira da madrugadafeirinha da madrugadabrasigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas