Homem morre baleado após assalto na frente de escola em Higienópolis

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Eduardo Paiva, de 39 anos, era funcionário do Colégio Sion e chegou a ser levado com vida para o pronto-socorro da Santa Casa, mas não resistiu ao ser atingido com tiro na cabeça

Nico Nemer/Futura Press
Crime aconteceu após a vítima deixar uma agência bancária, delito conhecido como “saidinha de banco”

Um funcionário do Colégio Nossa Senhora de Sion foi baleado na cabeça na manhã desta segunda-feira (3) e morreu durante uma tentativa de assalto na frente da escola, na avenida Higienópolis, região central de São Paulo. De acordo com a assessoria do colégio, Eduardo Paiva, de 39 anos, chegou a ser levado com vida para o pronto-socorro da Santa Casa, mas não resistiu ao ferimento. O crime aconteceu após a vítima deixar uma agência bancária, delito conhecido como “saidinha de banco”.

Leia também:
Manifestantes protestam contra alta da tarifa de ônibus em São Paulo
Amigos de dentista queimado no interior de São Paulo pedem doação de sangue

O crime aconteceu por volta das 11h20, segundo relatos de vizinhos e da PM. Ainda segundo a assessoria do Sion, o funcionário atuava no setor de manutenção e não estava a trabalho quando foi sacar dinheiro no banco. Outro funcionário ouviu o disparo e encontrou a vítima caída no chão. O colégio informou que hoje não é dia de pagamento e que não havia crianças na porta no momento da ocorrência - as turmas da manhã saem às 12h. As aulas foram mantidas.

Um zelador de um condomínio na frente do local do crime disse que dois homens abordaram a vítima em uma moto e deram a ordem para entregar o dinheiro. O funcionário teria dito "pelo amor de Deus, não atira", mas um dos dois homens sacou a arma e o baleou no rosto, contou a testemunha, que não foi identificada por motivo de segurança. "Eu vi um homem atirando, pulando em cima da moto, e saindo", disse o zelador. "Nós paramos o trânsito para ele não ser atropelado. Corremos e vimos que ele não falava, não tinha pulso e sangrava muito."

De acordo com o zelador, a via foi interditada e uma das saídas da escola foi fechada para que os alunos não vissem a cena do crime. A testemunha afirma que não havia crianças no local no momento dos tiros, mas outras pessoas que trabalhavam no colégio ficaram alarmadas com a situação. A perícia técnica esteve na avenida e já liberou o trânsito. Imagens do circuito de segurança do Sion foram recolhidas pela polícia. Não foi confirmado se elas flagraram o crime. O caso foi encaminhado para o 77º DP (Santa Cecília).

*Com informações da Agência Estado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas