Audiência acaba sem acordo e metroviários podem entrar em greve

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Decisão sobre a possível paralisação sairá em em assembleia geral, que acontece na noite desta segunda-feira (27) no Sindicato dos Metroviário

Agência Estado

Marcos Bezerra/Futura Press
Em caso de greve na CPTM, somente as linhas 7-Rubi (Luz-Francisco Morato) e 10-Turquesa (Brás-Rio Grande da Serra) funcionarão normalmente

A audiência de conciliação entre o Sindicato dos Metroviários e representantes do Metrô no Tribunal Regional do Trabalho terminou sem acordo e a decisão sobre a possível greve poderá ocorrer em assembleia geral, marcada para a noite desta segunda-feira (27). No encontro, a proposta oferecida para as duas partes foi de 8,06%, menor do que os 14,16% pretendidos pelos metroviários. Já o Metrô, que havia oferecido 6,42%, não respondeu se aceitaria e pediu adiamento da negociação.

Em caso de greve, a única linha que funcionaria sem interrupção é a 4-Amarela (Luz-Butantã). Isso, porque seus funcionários pertencem a outro sindicato que não o dos metroviários. A Linha 4 é administrada pela iniciativa privada, por meio de uma concessão do governo do Estado.

Entenda o caso: Metroviários fazem assembleia para decidir se mantêm greve 

No caso dos trens, os passageiros da CPTM das regiões leste, oeste e sul da Grande São Paulo estão sujeitos a enfrentar uma paralisação. Mesmo que os trabalhadores das demais linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) entrem em greve nesta terça-feira (28), dois ramais da rede - as Linhas 7-Rubi (Luz-Francisco Morato) e 10-Turquesa (Brás-Rio Grande da Serra) - funcionarão normalmente, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo.

Essa entidade representa os funcionários dos ramais da malha da antiga São Paulo Railway, criada no século 19, da qual os trilhos e estações foram posteriormente incorporados à CPTM na Região Metropolitana de São Paulo.

Leia também: Tarifas de ônibus, trem e Metrô vão subir para R$ 3,20 em São Paulo

Contudo, os empregados das outras quatro linhas da CPTM ainda podem decidir cruzar os braços na terça-feira. Dois sindicatos estão à frente desses ramais. Um deles, ao qual se vinculam os trabalhadores das Linhas 8-Diamante (Júlio Prestes-Itapevi) e 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú), é o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana.<p><p>O outro é o Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil, que alberga os funcionários das Linhas 11-Coral (Luz-Estudantes) e 12-Safira (Brás-Calmon Viana).

Leia tudo sobre: GERALgreveigspmetroviáriosreajuste

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas