Programa para PM que passa por situação de risco vira "castigo" para agentes

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Programa tira das ruas PMs que passam por trauma durante ações de risco; receio de ir para o curso seria uma das justificativas para policias terem evitado confrontos na Virada Cultural

Policiais militares de São Paulo que passam por tratamento psicológico vêm reclamando nos bastidores das avaliações recebidas no Programa de Acompanhamento e Apoio ao Policial Militar (PAAPM). Criado em 2002, auxilia na recuperação de agentes que passam por algum trauma durante ações de risco, como acidentes de trânsito ou confronto com criminosos.

Em conversa com o iG em condição de anonimato, policiais relatam o agravamento do quadro clínico de alguns, resultado do programa estar superlotado, da falta de profissionais e da sensação de que eles estão de “castigo” por terem se envolvido em ações impopulares ao comando da Polícia Militar (PM).

Leia também: Prefeitura de São Paulo tenta despolitizar violência na Virada Cultural

Renato S. Cerqueira/Futura Press
Policiais abordam pedestres durante a Virada Cultural, em São Paulo

O PAAPM substituiu o Programa de Acompanhamento a Policiais Militares Envolvidos em Ocorrências de Alto Risco (Proar) - criado em 1996 -, que previa o afastamento automático do PM envolvido em uma ação que resultasse em morte. Com a mudança, o policial em qualquer ação de risco ou estresse passou a ser encaminhado para avaliação psicológica no Centro de Assistência Social (CAS) do PAAPM, que na capital fica no Canindé, na zona norte da capital.

Mas, de acordo com os relatos, uma ordem partida do Comando da Polícia Militar em fevereiro deste ano resultou em problemas em cascata. A decisão informal, negada pela PM, teria instruído os psicólogos a reterem no complexo até mesmo os profissionais avaliados como aptos para voltar ao trabalho.

Um deles ouviu a justificativa do próprio psicólogo, que teria se desculpado por mantê-lo no programa por seis meses. O resultado é a superlotação dos três módulos do curso. Sem profissionais suficientes para atender tanta gente, os policiais passam o dia “jogando bola”.

Essa é a atividade recomendada no primeiro módulo, a Educação Física, que dura 30 dias. Depois dessa fase, são exigidos mais 30 dias no setor de psicologia e mais um mês no Centro de Comunicação Social, onde o caso do policial é estudado. Ao todo, diz um relato, cerca de 225 pessoas passam por esse processo atualmente, o que causaria uma fila de espera para iniciar o programa.

Conforme apurou o iG, desses policiais, cerca de 15% chegam do interior do Estado. Eles reclamam que têm de pagar do próprio bolso a estadia em hotéis de São Paulo durante esses três meses, quando precisam comparecer ao curso das 9h às 18h, de segunda a sexta-feira. Depois desses 90 dias, o oficial volta para o batalhão onde normalmente desempenha atividades administrativas por mais três meses, para só depois passar por mais uma nova bateria de exames e poder volta às ruas.

O resultado, dizem eles, é a sensação de castigo para quem passa pelo programa e de medo por quem trabalha nas ruas. O receio de terminar no PAAPM seria uma das justificativas para que policiais militares evitassem agir com mais rigor durante os 12 arrastões que amedrontaram fequentadores da Virada Cultural no último final de semana.

“Em São Paulo havia um nível de resistência maior por parte dos policiais por conta do efeito indireto no orçamento familiar do sujeito, que fica impedido de fazer bicos e permanece por longo período em tratamento”, afirma o tenente-coronel reformado Edson Güido de Moraes, ex-coordenador do PAAPM da cidade de Assis, responsável pelo atendimento dos policias das regiões norte e oeste do Estado. “Em uma época cheguei a propor que eles recebessem uma ajuda de custo para frequentar o curso.”

Procurada pela reportagem, a Polícia Militar de São Paulo não comentou as afirmações feitas pelos policiais consultados pelo iG.

Programa em Universidade

Moraes coordenou o tratamento em Assis, no interior de São Paulo, entre 2000 e 2004, quando recebeu carta branca para adaptar as regras do programa às necessidades locais. “O sucesso se deveu fundamentalmente a uma parceria com um campus de psicologia da Unesp (Universidade Estadual Paulista) em Assis.”

A orientação ficou por conta do professor da universidade Claudio Edward dos Reis: “A princípio a recepção era de desconfiança porque o policial tem uma formação rígida, mas muitos perceberam que o programa ajudava com atividades descontraídas e nas vivencias corporais”, diz.

O atendimento era feito para um grupo máximo de dez pessoas, que permaneciam em tratamento por não mais do que duas semanas. “Ao final do período, era feita uma avaliação e, estando apto, o paciente retornava para a vida normal”, lembra Moraes. Em alguns casos, em que o profissional mantinha algum trauma, ele voltava para a unidade de origem. “O objetivo não era tirá-lo da sua rotina porque isso compromete a autoestima.”

Segundo o tenente, o receio do agente é que seus colegas de farda possam julgá-lo fracassado por precisar de apoio psicológico depois de uma ação. “Mais do que a sensação de castigo e a distância da família, eles receiam a opinião interna.”

Para Moraes, “o curso tem uma finalidade muito boa para a sociedade”: “Já que o Estado dá o poder letal, que é a arma, espera-se que esse profissional tenha equilíbrio mental para usá-la”, diz ele, com uma ressalva: “A coordenação do curso precisa se envolver, cuidar dos detalhes para reduzir a impressão de que se trata de um castigo”.

Leia tudo sobre: igsppolicia militarpmcomando da pmpaapm

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas