São Paulo faz primeira internação involuntária de usuário de drogas

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Paciente contou aos médicos que não sabe onde está sua família e que usava crack, álcool, solvente e cocaína diariamente. Ele foi encaminhado para tratamento em São Bernardo

Agência Estado

Marcelo Camargo/ABr
Aprovação de internação forçada causou polêmica e manifestantes protestaram em frente ao Cratod

Um morador de rua de 25 anos foi o primeiro dependente químico a ser internado de forma compulsória no Estado de São Paulo desde 21 de janeiro, quando foi montado um plantão judiciário no Centro de Referência em Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod), na Luz, região central da capital paulista, para agilizar as internações. O dependente químico recebeu atendimento no Cratod nessa quinta-feira (23).

T.F.L. foi encontrado por agentes da Missão Belém andando pelas ruas da cracolândia. O paciente contou aos médicos que não tem conhecimento de onde está sua família e que usava crack, álcool, solvente e cocaína diariamente. Ele apresentava sinais de intoxicação por diversas drogas e também foi diagnosticado com retardo mental, segundo a Secretaria Estadual de Saúde.

Leia também:
Internação compulsória de usuários de crack começa com protesto em SP
Comissão do Senado aprova projeto sobre internação compulsória de dependentes

Diante da situação de intoxicação e confusão mental, que demonstravam vulnerabilidade social e risco para si próprio e aos outros, a Justiça decidiu pela internação compulsória do dependente, informou a secretaria. O paciente foi encaminhado para tratamento no Hospital Lacan, em São Bernardo do Campo, no ABC.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas