Polícia Militar sugere que Virada Cultural seja cercada por tapumes

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Ideia é seguir modelo semelhante ao do réveillon na avenida Paulista, onde são montados bloqueios para barrar objetos vetados, como garrafas e guarda-chuvas

Agência Estado

A Polícia Militar vai sugerir à Prefeitura de São Paulo "cercar" a Virada Cultural com tapumes para que seja possível controlar a entrada e saída de pessoas por meio de revistas. A ideia é seguir modelo semelhante ao do réveillon na avenida Paulista, onde são montados bloqueios para barrar objetos vetados, como garrafas e guarda-chuvas. Essa é uma das ideias que o comandante da PM, coronel Benedito Roberto Meira, vai apresentar à prefeitura para tentar diminuir as taxas de criminalidade na Virada Cultural do ano que vem.

Leia também: Prefeitura de São Paulo tenta despolitizar violência na Virada Cultural

Edu Cesar/iG
Show do Racionais MC's na Virada Cultural 2013

Na manhã de ontem, Meira chegou a falar que também vai propor que a Virada dure das 8h às 20h, mas voltou atrás. "Não dá para restringir a esse horário porque aí deixaria de ser Virada", ponderou.

Segundo o coronel, ao invés de encurtar o evento, a alternativa seria levar para a madrugada shows que não atraiam público jovem disposto a consumir álcool em excesso. Ele citou como exemplo o show da banda Racionais MC’s, que tocou às 15h sem que fossem registrados problemas. "Ainda são ideias que precisam ser discutidas."

Meira disse que os tapumes podem facilitar a fiscalização de bebidas, responsáveis por cerca de 1,8 mil atendimentos em postos de saúde. O comandante defende ainda que os homens fiquem em locais visíveis e elevados, com sua localização identificada por balões, como ocorre no Galo da Madrugada, no carnaval do Recife.

O coronel admitiu que neste ano houve aumento das ocorrências e atribui o crescimento ao excesso de pessoas com a intenção de praticar crimes patrimoniais no local. Também citou o rapper Mano Brown para confirmar sua impressão. "Ele mesmo (Mano Brown) viu que havia muitas pessoas que foram lá para cometer crimes e não para curtir o evento."

Leia também: Para Alckmin, é preciso escolher melhor locais da Virada
Mais: Capital paulista registra a Virada Cultural mais violenta desde 2005

Procedimento

O comandante negou que os policiais tenham feito "olho de vidro" (gíria policial para fingir não ver crimes) em protesto contra atrasos de pagamentos na Operação Delegada. "Passaram 4 milhões de pessoas no evento e existem procedimentos. Policiais correrem atrás de criminosos pode provocar tumultos maiores do que os causados pelo roubo."

O prefeito Fernando Haddad (PT) disse, na terça-feira, 21, que ainda não conversou com o comandante sobre as propostas. "Não chegaram ainda as análises sobre o que pode ser feito na operação, sobretudo na madrugada. Nós vamos acolher, porque eles é que entendem de segurança. Então a Prefeitura, em geral, acata recomendações, ponderando sobre a natureza do evento para não descaracterizá-lo." As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia tudo sobre: virada culturalpmviolência na virada culturaligsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas