Prefeito Fernando Haddad sancionou lei que ainda precisa ser regulamentada pela prefeitura. medida não indica o número mínimo de vagas que deve ser destinado

Agência Estado

Gestantes já têm assento preferencial em ônibus e trens em São Paulo. Agora, a vida deve ficar um pouco mais fácil para as que usam carro. Projeto de lei sancionado na segunda-feira (20), pelo prefeito Fernando Haddad (PT) determina que shoppings, hipermercados e centros comerciais da capital ofereçam vagas para grávidas e pessoas com crianças de até 2 anos.

Leia também: Aeroporto de Cumbica perde 556 vagas de estacionamento

Lei ainda deve ser regulamentada pela prefeitura de São Paulo
AE
Lei ainda deve ser regulamentada pela prefeitura de São Paulo

Estabelecimentos que descumprirem a regra, que ainda será regulamentada pela Prefeitura, ficarão sujeitos a multa diária de R$ 500. O valor também será reajustado anualmente com base no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Não está claro quem fará a vistoria, mas o governo municipal deve tratar dessa questão em até três meses, período previsto para a regulamentação.

A medida não indica o número mínimo de vagas que deve ser destinado. O projeto de lei original, apresentado no ano passado pelo vereador Aurélio Nomura (PSDB), propunha que 3% do total. Mas esse patamar é maior do que os 2% obrigatórios por lei a pessoas com mobilidade reduzida. Por isso, foi vetado por Haddad, que alegou quebra do princípio de razoabilidade previsto na legislação municipal. Outro ponto vetado é o que previa uso de adesivo no veículo para identificar a grávida. Haddad argumentou que esse aspecto conflita com lei federal.

Gestantes comemoraram a sanção da medida. A empresária Iasmine de Magalhães Dantas, de 40 anos, grávida de 7 meses, conta que a medida só vai funcionar se as vagas exclusivas ficarem perto das portas de acesso. "Também precisam ser um pouquinho mais largas do que as vagas comuns, de modo que a pessoa possa abrir a porta o suficiente para passar o barrigão.

Já a psicóloga Patrícia Faustino Garbelotto, de 34 anos, também gestante, acha que a medida facilitará a vida que estão grávidas e têm filhos pequenos. "São duas dificuldades que serão atendidas." As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.