Estacionamentos de centros comerciais e shoppings terão vaga para gestante em SP

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Prefeito Fernando Haddad sancionou lei que ainda precisa ser regulamentada pela prefeitura. medida não indica o número mínimo de vagas que deve ser destinado

Agência Estado

Gestantes já têm assento preferencial em ônibus e trens em São Paulo. Agora, a vida deve ficar um pouco mais fácil para as que usam carro. Projeto de lei sancionado na segunda-feira (20), pelo prefeito Fernando Haddad (PT) determina que shoppings, hipermercados e centros comerciais da capital ofereçam vagas para grávidas e pessoas com crianças de até 2 anos.

Leia também: Aeroporto de Cumbica perde 556 vagas de estacionamento

AE
Lei ainda deve ser regulamentada pela prefeitura de São Paulo

Estabelecimentos que descumprirem a regra, que ainda será regulamentada pela Prefeitura, ficarão sujeitos a multa diária de R$ 500. O valor também será reajustado anualmente com base no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Não está claro quem fará a vistoria, mas o governo municipal deve tratar dessa questão em até três meses, período previsto para a regulamentação.

A medida não indica o número mínimo de vagas que deve ser destinado. O projeto de lei original, apresentado no ano passado pelo vereador Aurélio Nomura (PSDB), propunha que 3% do total. Mas esse patamar é maior do que os 2% obrigatórios por lei a pessoas com mobilidade reduzida. Por isso, foi vetado por Haddad, que alegou quebra do princípio de razoabilidade previsto na legislação municipal. Outro ponto vetado é o que previa uso de adesivo no veículo para identificar a grávida. Haddad argumentou que esse aspecto conflita com lei federal.

Gestantes comemoraram a sanção da medida. A empresária Iasmine de Magalhães Dantas, de 40 anos, grávida de 7 meses, conta que a medida só vai funcionar se as vagas exclusivas ficarem perto das portas de acesso. "Também precisam ser um pouquinho mais largas do que as vagas comuns, de modo que a pessoa possa abrir a porta o suficiente para passar o barrigão.

Já a psicóloga Patrícia Faustino Garbelotto, de 34 anos, também gestante, acha que a medida facilitará a vida que estão grávidas e têm filhos pequenos. "São duas dificuldades que serão atendidas." As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas