Após reclamações, Hospital do Servidor inicia reforma que deve durar dois anos

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Principal novidade é a criação de um pronto-socorro para idosos, 60% dos pacientes atendidos no local. Ao iG, pacientes reclamavam de filas e da demora no atendimento

A insatisfação dos funcionários públicos de São Paulo atendidos pelo Hospital do Servidor Estadual (HSPE) pode diminuir nos próximos dois anos. Esse é o período previsto para uma reforma que vai consumir R$ 146,7 milhões e que promete modernizar o complexo hospitalar, na zona sul da capital.

Leia também: Com tumor, paciente espera por atendimento no corredor de hospital
Mais: Pacientes aguardam até 8h atendimento no Hospital do Servidor em São Paulo

Wanderley Preite Sobrinho
Hospital do Servidor, que deve passar por reformas nos próximos dois anos

Com 1,3 milhão de usuários, o HSPE existe há 52 anos. “Esta obra é fundamental para modernizar o hospital, garantindo as condições ideais de atendimento a todos os pacientes e adequando a unidade ao perfil do público atendido”, afirmou em nota Latif Abrão Junior, superintendente do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe), autarquia responsável pelo hospital.

Principal alvo de críticas publicadas pelo iG, o Pronto Socorro continuará funcionando durante as obras, mas o Iamspe vai contratar hospitais de retaguarda para ajudar no atendimento.

A principal novidade, no entanto, é a construção de um pronto-socorro especializado em idosos, 60% dos pacientes atendidos. Já o Centro de Promoção e Proteção à Saúde do Idoso ganhará um serviço de reabilitação física e social, uma área de lazer, cozinha experimental e um anfiteatro para 420 pessoas.

A capacidade do Centro de Oncologia do hospital também será ampliada em 25%, e passará a realizar cerca de 14,3 mil procedimentos por ano, promete o Iamspe. O número de leitos de UTI Adulto também será ampliado de 52 para 78.

Com 1.400 médicos, o Hospital do Servidor Estadual atende 43 especialidades. Foto: Wanderley Preite SobrinhoCom fortes dores de cabeça, idosa de 83 anos aguardava atendimento no corredor do Hospital do Servidor Estadual. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGDona Terezinha de Jesus, 75, gosta do atendimento, mas lamenta espera de sete horas . Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGRoseli Nascimento Magalhão, 45 anos, aguardava atendimento havia seis horas. (Fotos seguintes foram tiradas no ano passado). Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGIdosa aguarda no corredor do pronto socorro para receber atendimento. Foto: Wanderley Preite SobrinhoA acompanhante, também idosa, é quem precisa levar a maca até o consultório. Foto: Wanderley Preite SobrinhoCerca de 60% dos pacientes no Hospital do Servidor são idosos. Foto: Wanderley Preite Sobrinho “O problema são as pulseiras”, reclama a aposentada Vera Lurdes (62). Ela se refere à triagem, que prioriza atendimento aos casos graves. Foto: Wanderley Preite SobrinhoA professora Verônica Lúcia (30) chegou às 10h37 com enxaqueca. "Já são seis da tarde e ninguém tira esse cateter do meu braço". Foto: Wanderley Preite SobrinhoA aposentada Carmen Viana (59) preferiu não mostrar o rosto. Depois de um mês internada, o remédio receitado lhe causou alergia pelo corpo todo. Foto: Wanderley Preite Sobrinho

Com um novo Centro de Diagnóstico por Imagem, a autarquia espera aumentar em 20% o número atual de 30 mil exames por mês.

Cara nova

As fachadas do HSPE também passarão por reforma. O Iamspe espera que o local seja ventilado em cerâmica e brises, “gerando economia com climatização e conforto térmico”.

A autarquia diz em nota que o atendimento não sofrerá mudanças durante as obras, “de modo que os pacientes continuem sendo atendidos normalmente no período de reforma”.

Hoje, o hospital conta com 990 médicos e 2.271 enfermeiros e técnicos de enfermagem, além de 336 residentes médicos.

"Meu pai espera atendimento desde as 7h”, desabafou uma usuária em março. Assista: 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas