Foragido há 5 anos, pagodeiro Evandro Gomes vai a júri pela morte de ex-mulher

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Defesa confirma presença do réu em plenário, nesta quarta, no Fórum de Guarulhos. Para acusação, Andréia Bezerra morreu após se jogar de prédio quando tentava fugir do músico

Após cinco anos, o pagodeiro Evandro Gomes Correia Filho, acusado pela morte da ex-mulher Andréia Cristina Bezerra Nóbrega e por tentativa de homicídio contra o filho Lucas, enfrenta hoje, a partir das 13h, o júri popular no Fórum Criminal de Guarulhos, na Grande São Paulo. O crime, que aconteceu em novembro de 2008, chamou a atenção pela crueldade. Andréia teria morrido quando tentava fugir do ex-marido. Ela pulou do terceiro andar de um prédio, depois de ter jogado o filho, que caiu sobre uma marquise e sobreviveu.

AE
Evandro Gomes disfarçado em coletiva de imprensa, no ano de 2010, em São Paulo

Em 2010: Disfarçado, músico afirma inocência na morte de ex-mulher

Vídeo: Reconstituição da queda de mãe e filho do prédio em Guarulhos

O inquérito, concluído pelo 2º DP, de Guarulhos, aponta o músico como o autor dos crimes. Inconformado com a separação do casal, ele teria ido ao apartamento de Andréia para confrontá-la. Segundo a polícia, Evandro teria cortado a mangueira do gás e o telefone do local.

Ainda com uma faca, que foi apreendida pelos investigadores, ele teria ameaçado a ex e o filho. Para fugir, Andréia então teria lançado a criança de seis anos pela janela e pulado em seguida. Ele teve a prisão preventiva decretada por homicídio, mas nunca foi localizado.

A versão é rebatida pela defesa do pagodeiro, representada pelo advogado Ademar Gomes, que garante que o seu cliente - considerado foragido há cinco anos e com foto divulgada no site da Divisão de Vigilância e Capturas da Polícia Civil  - estará presente no plenário para se defender. Dois anos após o crime, durante o período eleitoral em uma manobra para evitar sua prisão, Evandro foi apresentado pelo defensor para uma entrevista coletiva. Com uma peruca, falso cavanhaque e óculos escuros, o cantor alegou sua inocência.

Reprodução
Andréia Cristina Bezerra, morta em 2008

Aos jornalistas, o músico citou ainda que o casal voltou de um shopping, no dia do crime, e foram para o apartamento. Lucas foi colocado no quarto. Quando o casal tomava vinho, Andréia teria questionado Evandro sobre outro filho, recém-nascido, que ele teria com outra mulher. Os dois começaram a brigar e ela, segundo o acusado, cortou a mangueira de gás com uma faca. Ele disse que a teria desarmado e quando virou viu que ela tinha se jogado.

Câmeras de segurança

Após a queda, Evandro disse que desceu as escadas do prédio e encontrou os vizinhos e bombeiros, que já se aglomeravam na região da calçada. Ele explicou que, ao perceber que o filho havia caído na marquise e estava bem, decidiu fugir por medo de ser linchado por populares. Em entrevista à TV Record veiculada no último sábado (4), o réu disse que saiu do edifício “desesperado e com medo”. E citou que fugiu para uma cidade do Nordeste e lá permaneceu até o júri ser marcado.

Vídeo:  MP aceita denuncia e pede prisão preventiva do pagodeiro Evandro Gomes

Polícia Civil
Foto de Evandro Gomes no site da Divisão de Capturas da Polícia Civil de SP

No entanto, as imagens de uma câmera de vigilância do comércio ao lado do prédio acabaram desmentindo a versão de Evandro e se tornaram a principal prova do Ministério Público, que será representado neste júri pelo promotor Rodrigo Merli Antunes. Ele atuou no caso Mércia Nakashima, em março deste ano. Para a promotoria, Evandro agrediu fisicamente a ex-mulher e anunciou que mataria Andréia e o filho. À época, o MP chegou a pedir à Justiça uma pena de 30 anos de prisão por homicídio qualificado.

Histórico de violência

Reprodução
Desenho feito pelo menino Lucas à polícia de SP, em 2008. Na gravura, homem segura uma faca

Na época do crime, a família de Andréia chegou a divulgar que a vítima já havia registrado dois boletins de ocorrência contra o pagodeiro; um na Delegacia da Mulher, por agressão e injúria, e outro, no próprio 2º DP, por ameaça.

Um dos momentos mais esperados do julgamento é o possível depoimento do menino Lucas, hoje com 11 anos. Ele poderá relatar como foi a briga do casal e se o pai costumava ser violento com a mãe, como defende a família da vítima. Ainda não há confirmação se Lucas será convocado para dar esclarecimentos. 

Em 2008, ainda com seis anos, ele chegou a ser ouvido pelos investigadores após sua recuperação. Por meio de um desenho, à polícia, o garoto desenhou um homem segurando uma faca em frente à mulher. Segundo Evandro, a gravura representaria o momento em que ele desarmou Andréia.

*com informações da Agência Estado

 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas