Em uma manhã, trânsito consome R$ 5 milhões de lucros de SP com Indy

Por Agência Estado | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Perda foi estimada por FGV com base em horas de trabalho perdidas e gasto desnecessário de combustível com aumento de trânsito. Fórmula Indy deve movimentar R$ 80 milhões

Agência Estado

Parte dos lucros que a capital paulista terá neste ano com a realização da etapa brasileira da Fórmula Indy no Sambódromo do Anhembi já foi perdida por causa do aumento dos congestionamentos na cidade.

Vídeo: SP se prepara para receber Fórmula Indy

Renato S. Cerqueira/Futura Press
Trânsito intenso na avenida Moreira Guimarães, zona sul de São Paulo (foto de arquivo)

IBGE: Um milhão de pessoas passam mais de duas horas no trânsito para ir ao trabalho

Só na manhã de sexta, segundo a empresa Maplink, as filas de carros ficaram 50 quilômetros mais longas do que há uma semana. Estimativa da Fundação Getúlio Vargas feita a pedido do jornal O Estado de S.Paulo mostra que o trânsito extra causou um custo de cerca de R$ 5 milhões.

Segundo a São Paulo Turismo (SP Turis), a prova movimentará cerca de R$ 80 milhões. Cada uma das 60 mil pessoas que vêm à cidade para o evento gasta, em média, R$ 1.240. Os setores que lucram são de serviços - alimentação, hospedagem, transporte, alimentação e lazer - e comércio, com as compras que os turistas e os trabalhadores do evento fazem enquanto estão aqui.

Já no cálculo dos custos do trânsito entram as horas de trabalho perdidas e o gasto desnecessário de combustível (um recurso finito), além de custos para a saúde pública decorrentes da poluição.

O valor, repassado pela equipe do economista Marcos Cintra, vice-presidente da FGV e ex-secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, foi feito com base na média do custo anual do trânsito da cidade: R$ 40 bilhões.

"É um custo muito alto, que precisa ser mais bem discutido, até mesmo com a adoção de pedágio urbano e para financiar melhorias no transporte público", diz Cintra, que recentemente revisou esses valores.

O custo para a cidade, no entanto, pode ser bem maior. Isso porque o cálculo da FGV foi feito com base em dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que tem uma contagem diferente da do Maplink.

Para a CET, às 9 horas de sexta-feira, o trânsito somava 96 km - 14 km mais que na sexta passada. Já a Maplink percebeu uma diferença ainda mais marcante. Segundo a empresa, às 9 horas de sexta São Paulo tinha 381 km de filas, ante 329 km na semana anterior.

Leia tudo sobre: trânsitocongestionamentofórmula indyturismofgvigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas