Dono de BMW que atropelou motociclista diz à polícia que não bebeu

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Após depoimento, Fabrisio Moura foi indiciado por homicídio doloso após colisão na segunda. Irmão do acusado apresentou duas versões e foi desmentido pelas investigações

O comerciante Fabrisio de Campos Moura, de 34 anos, que atropelou e matou o motociclista José Francilino Júnior, de 37 anos, na via Anchieta, em São Bernardo do Campo, na madrugada de segunda-feira (29), negou que estivesse bêbado no momento do acidente. Ele se apresentou à polícia ontem à noite e após prestar depoimento foi indiciado por homicídio doloso (quando há intenção). Moura aguardará o julgamento em liberdade.

Leia também: Polícia identifica motorista que atropelou carteiro na contramão em São Paulo
Motociclista morre após perder a perna em colisão com carro em São Paulo

Rafael Brito/Futura Press
Comerciante Fabrisio Moura, de 34 anos, responderá em liberdade. Crime ocorreu na madrugada de segunda

Moura não prestou socorro e abandonou a cena do crime, segundo a polícia. Ao sair da delegacia na noite de quinta, Moura afirmou que ficou com medo de que alguém o atacasse. "Fiquei com medo de acontecer alguma coisa e deixei meu irmão lá", declarou a jornalistas.

Morte de pedestres no trânsito lidera ranking e segue aumentando em São Paulo
Ciclista morre após ser atropelado por ônibus em São Paulo
Motorista indiciado: Ciclista tem o braço amputado em acidente na avenida Paulista 

O irmão do acusado, Flávio de Campos Moura, chegou a apresentar duas versões diferentes à polícia. Primeiro disse que a BMW do irmão havia sido roubada e que os assaltantes teriam atropelado o motociclista. Depois, afirmou que seu irmão tinha bebido e por isso não se apresentara na delegacia.

Em depoimento, o motorista disse que não pode beber pois toma remédios de uso controlados. Ele afirmou que estava dirigindo a cerca de 110 km/h, que é a velocidade permitida no trecho do acidente, e que não viu o motociclista na pista.

O delegado do 2° DP, Roberto Menezes, optou por indiciar Moura por homicídio doloso, pois entendeu que há indícios que mostram que o motorista assumiu o risco de cometer o acidente.

O caso

José Francilino Júnior foi atingido no começo da madrugada de domingo (28), no km 14 da rodovia Anchieta. Com o choque, Júnior foi arrastado por cerca de 500 metros e morreu no local. A vítima trabalhava como segurança de uma pizzaria e estava voltando para casa, no bairro de Santo Amaro, na zona sul. O corpo foi levado ao IML de São Bernardo do Campo.

Após o acidente, o motorista não prestou socorro. Segundo a polícia, ele ligou para o irmão, que mora no mesmo condomínio na Vila das Mercês, na zona sul de São Paulo, avisando sobre o acidente. O irmão então teria levado um Pálio até o local da batida. Testemunhas afirmaram que os dois trocaram de veículo.

O irmão do motorista chamou a polícia e foi encaminhado ao 5º DP de São Bernardo do Campo e contou aos policiais que estava em frente a um bar na Av. Kennedy, em São Bernardo, quando teve sua BMW roubada. Disse que passava pela Rodovia Anchieta e viu o seu carro envolvido em uma batida. A versão foi desmentida pela polícia durante as investigações. 

*com Agência Estado

Leia tudo sobre: atropelamentohomicídio dolosoindiciamentomotociclistaigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas