Lojistas da feira realizada no Brás, na região central, têm até o dia 9 de maio para recolherem seus pertences. Reportagens do iG mostraram as condições da feira em janeiro

Os lojistas da Feira da Madrugada , realizada todos os dias no Brás, na região central, têm até o dia 9 de maio para desocuparem a área. A decisão está em decreto publicado nesta terça-feira (30) pelo prefeito Fernando Haddad (PT), atendendo à determinação do promotor César Dario Mariano da Silva. Ele argumenta que há na área alta concentração de materiais inflamáveis e falta de espaço para a circulação dos mais de 200 ônibus que estacionam no local.

Mais: Prefeitura descumpre acordo e mantém comando irregular na Feira da Madrugada
A Feira: Feira da Madrugada completa 12 anos com polêmicas e lucro de 400% em SP
Outra denúncia: Base do Samu presta socorro irregular em feira popular de São Paulo

No início do ano, uma série de reportagens do iG mostrou a falta de condições da feira. O comércio sigiloso e ilegal das barracas , a insegurança de suas instalações , a forma de administração irregular por parte da prefeitura e a base do Samu inapropriada para o atendimento médico no local foram retratadas nas reportagens.

Segundo o decreto da prefeitura, os comerciantes tem até o dia 9 para que retirem suas mercadorias e pertences do local para que sejam tomadas todas as medidas necessárias para adequação das instalações físicas às normas de segurança.

A Prefeitura de São Paulo trabalha com três alternativas para realocar os 4 mil boxes de comerciantes. Uma das possibilidades é transferir temporariamente os lojistas para um terreno de 171 mil metros quadrados na Vila Guilherme, na rua Chico Pontes, ao lado do Parque do Trote, na zona norte, onde funcionava o Mart Center.

Outros dois terrenos mais próximos de onde hoje é realizada a feirinha, um no Brás e outro no Pari, também estão sob análise. "O que não podemos permitir mais é a realização onde é hoje, totalmente sem segurança. Ali os riscos são maiores que os da boate de Santa Maria (RS)", afirmou ao jornal o secretário do Trabalho e Empreendedorismo, Eliseu Gabriel.

O vereador Adilson Amadeu (PTB), principal liderança dos lojistas da feirinha no Legislativo, avalia que a possibilidade de acordo amigável é praticamente remota. "Podemos esperar uma guerra", prevê Amadeu. A mudança da Feira da Madrugada deve ser um dos assuntos a ser debatido na sessão plenária da Câmara Municipal nesta terça-feira.

* Com AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.