Tiago de Jesus Pereira, de 25 anos, foi encontrado na casa de parentes em Itapevi. Ele negou a participação no crime, mas confessou ter cometido assaltos

Agência Estado

A polícia prendeu nesta madrugada o quarto suspeito de participar do assalto e assassinato da dentista Cinthya Magala Coutinho, queimada viva dentro de seu consultório na tarde de quinta-feira (25), em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Tiago de Jesus Pereira, de 25 anos, foi detido na casa de parentes , em Itapevi, na região metropolitana de São Paulo.

Prisão: Polícia prende três suspeitos de matar dentista em São Bernardo do Campo
Depoimento:  Adolescente confessa ter ateado fogo em dentista

Delegado-geral da Polícia Civil, Luiz Mauricio Blazeck, segura os retratos dos suspeitos (26/04)
Wanderley Preite Sobrinho/iG
Delegado-geral da Polícia Civil, Luiz Mauricio Blazeck, segura os retratos dos suspeitos (26/04)

De acordo com o delegado seccional de São Bernardo do Campo, Waldomiro Bueno Filho, o suspeito nega participação no crime, mas confessou ter cometido outros assaltos do tipo. Seus comparsas, detidos na madrugada de sábado (27) confessaram o assalto.

Um menor de 17 admitiu ter ateado fogo na dentista com um isqueiro, depois de o grupo ter molhado o corpo da dentista com álcool. Jônatas Cassiano Araújo, de 21 anos, e Victor Miguel Souza Silva, de 24, supostamente o líder do bando, foram presos na mesma operação.

O crime

Os três criminosos invadiram a clínica odontológica de Cinthya na tarde de quinta-feira (25). Dois deles pegaram o cartão de crédito da vítima e se dirigiram até um caixa eletrônico. Ao constatarem que a dentista tinha apenas R$ 30 na conta, retornaram ao consultório e decidiram atear fogo na vítima.

Mais: Polícia divulga retrato falado de dois suspeitos de matarem dentista queimada

Araújo foi identificado pelas câmeras de segurança do posto de gasolina onde usou o caixa eletrônico e reconhecido pela sua mãe, que prestou depoimento antes de ele ser preso. Ela é a dona do Audi preto usado no crime.

O consultório de Cinthya funcionava nos fundos de sua casa. Ela era solteira e morava com os pais e uma irmã, que tem deficiência mental. Na manhã de sexta-feira (28), o governador Geraldo Alckmin (PSDB) classificou o crime de "bárbaro" e vergonhoso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.