Polícia prende quarto suspeito de assassinar dentista na Grande SP

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Tiago de Jesus Pereira, de 25 anos, foi encontrado na casa de parentes em Itapevi. Ele negou a participação no crime, mas confessou ter cometido assaltos

Agência Estado

A polícia prendeu nesta madrugada o quarto suspeito de participar do assalto e assassinato da dentista Cinthya Magala Coutinho, queimada viva dentro de seu consultório na tarde de quinta-feira (25), em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Tiago de Jesus Pereira, de 25 anos, foi detido na casa de parentes, em Itapevi, na região metropolitana de São Paulo.

Prisão: Polícia prende três suspeitos de matar dentista em São Bernardo do Campo
Depoimento: Adolescente confessa ter ateado fogo em dentista

Wanderley Preite Sobrinho/iG
Delegado-geral da Polícia Civil, Luiz Mauricio Blazeck, segura os retratos dos suspeitos (26/04)

De acordo com o delegado seccional de São Bernardo do Campo, Waldomiro Bueno Filho, o suspeito nega participação no crime, mas confessou ter cometido outros assaltos do tipo. Seus comparsas, detidos na madrugada de sábado (27) confessaram o assalto.

Um menor de 17 admitiu ter ateado fogo na dentista com um isqueiro, depois de o grupo ter molhado o corpo da dentista com álcool. Jônatas Cassiano Araújo, de 21 anos, e Victor Miguel Souza Silva, de 24, supostamente o líder do bando, foram presos na mesma operação.

O crime

Os três criminosos invadiram a clínica odontológica de Cinthya na tarde de quinta-feira (25). Dois deles pegaram o cartão de crédito da vítima e se dirigiram até um caixa eletrônico. Ao constatarem que a dentista tinha apenas R$ 30 na conta, retornaram ao consultório e decidiram atear fogo na vítima.

Mais: Polícia divulga retrato falado de dois suspeitos de matarem dentista queimada

Araújo foi identificado pelas câmeras de segurança do posto de gasolina onde usou o caixa eletrônico e reconhecido pela sua mãe, que prestou depoimento antes de ele ser preso. Ela é a dona do Audi preto usado no crime.

O consultório de Cinthya funcionava nos fundos de sua casa. Ela era solteira e morava com os pais e uma irmã, que tem deficiência mental. Na manhã de sexta-feira (28), o governador Geraldo Alckmin (PSDB) classificou o crime de "bárbaro" e vergonhoso.

Leia tudo sobre: dentista queimadasão bernardo do campoprisãoassaltoigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas