Polícia divulga imagens de suspeito de queimar dentista na Grande São Paulo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza, de 47 anos, foi queimada porque ela teria pouco dinheiro para entregar ao bando que assaltou seu consultório

A Polícia Civil de São Paulo divulgou nesta quinta-feira (25) imagens de um dos suspeitos de atear fogo e matar a dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza, de 47 anos, em seu consultório em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo

O caso: Após roubo, assaltantes colocam fogo e matam dentista em São Bernardo

Reprodução/MB/Futura Press
Reprodução de imagens divulgadas pela policia do suspeito de queimar a dentista em São Bernardo do Campo

Segundo o delegado seccional de São Bernardo, Waldomiro Bueno Filho, a dentista estava atendendo uma paciente quando os criminosos apertaram a campainha. Um dos bandidos se passou por um paciente, o que fez a vítima abrir o portão, e outros dois invadiram a casa. A paciente ficou vendada durante todo o crime e ouviu a dentista gritar pedindo para os bandidos não atearem fogo. "Atearam fogo por maldade", afirmou Bueno Filho. Ele desconfia que uma quadrilha especializada em assalto a consultórios esteja agindo na região.

Leia também:
Polícia identifica motorista que atropelou carteiro na contramão em São Paulo
Motociclista morre após perder a perna em colisão com carro na zona norte de SP

Vizinhos ouviram os gritos da dentista e chamaram o Corpo de Bombeiros e a polícia. Eles identificaram um carro Audi preto estacionado em frente ao consultório. Segundo testemunhas, um quarto bandido ficou o tempo todo dentro do carro.

O consultório de Cinthya funcionava nos fundos de sua casa. Ela morava com os pais e uma irmã. O pai da vítima, Viriato Gomes de Souza, de 70 anos, afirmou que ela só estava sozinha porque precisava atender a paciente. Normalmente nesse horário ela buscaria a irmã, que tem deficiência mental na escola. Como tinha paciente, ficou em casa enquanto os pais foram buscar a irmã.

Emocionado, Viriato diz que não sabe os motivos de tamanha brutalidade. "Ela era uma pessoa boa, que não tem inimigos. Agora a gente não sabe o que vai fazer, se vai continuar morando lá", afirmou. "Espero que ninguém precise passar pela dor que eu estou passando."

*Com AE


Leia tudo sobre: dentistasão bernando do campogrande são pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas