Policiais suspeitos de execuções são presos na Grande São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Com os PMs foram encontradas toucas ninjas e munições compatíveis com as usadas no dia dos ataques, que deixou quatro mortos em Osasco e Carapicuíba na última semana

Agência Estado

Dois policiais militares foram presos por suspeita de participar de execuções em Osasco e Carapicuíba, na região Metropolitana de São Paulo, na quarta-feira passada (17). Os ataques deixaram quatro mortos e sete baleados.

As mortes: Ataques na Grande São Paulo deixam 4 mortos e 7 feridos
Protesto: Ônibus são incendiados na Grande São Paulo 

Alex Falcão/Futura Press
Cinco pessoas foram baleadas na rua Andrômeda, no Jardim Novo Horizonte, em Carapicuíba

Com os PMs foram encontradas toucas ninjas e munições compatíveis com as usadas no dia dos ataques. A prisão dos agentes foi confirmada pela assessoria de imprensa da Polícia Militar.

Os crimes do dia 17 foram cometidos por homens encapuzados, que estavam em um Vectra de cor prata, e aconteceram em um intervalo de 5 minutos durante a noite.

Desde o dia 5 de fevereiro, um grupo de extermínio atua nas duas cidades, informou a Polícia Civil. Ao todo, já foram 17 mortos e outros 20 baleados nos ataques.

Para investigar os culpados e a motivação dos crimes, o delegado-geral da Polícia Civil, Maurício Blazeck, formou uma força-tarefa com 12 delegados da Delegacia-Geral do Estado, do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), além das seccionais de Carapicuíba e de Osasco.

Nivaldo Lima/Futura Press
Ônibus foi incendiado em Carapicuíba, na última quinta-feira, após os ataques


Leia tudo sobre: chacinagrupo de extermínioigspcarapicuíbaosasco

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas