Um dos jurados passou mal nesta manhã e, após avaliação médica, juiz decidiu interromper o julgamento. Sessão deve ser retomada nesta quinta-feira pela manhã, às 9 horas

Pela segunda vez, um mal estar de um dos sete jurados do Conselho de Sentença provocou a interrupção da julgamento do massacre do Carandiru, que foi iniciado na última segunda-feira (15) no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste da capital. O aviso da suspensão temporária foi dada pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo, por volta das 10h45. Após o juiz esperar algumas horas pela recuperação do jurado, ficou decidido que a sessão será retomada nesta quinta-feira (18).

1º dia:  Descrição do massacre e acusação contra Rota dominam 1º dia de júri do Carandiru
2º dia: Fleury e ex-secretário fazem mea culpa e responsabilizam Ubiratan por Carandiru
Papo na redação: Repórter conta como foi a cobertura do massacre do Carandiru

Pela manhã , por meio de nota oficial, o TJ confirmou que um dos seis jurados "apresentou mal estar pela manhã" e após uma avaliação médica, realizada por um médico do tribunal, foi recomendado o repouso.

O magistrado José Augusto Marzagão teria conversado com o jurado, que chegou a dizer que poderia continuar no júri. No entanto, o juiz optou por seguir a orientação médica e decidiu esperar pela recuperação do jurado e tentar retormar o julgamento durante a tarde.

Mas por volta das 16 horas, o Tribunal de Justiça informou que não haveria mais sessão hoje. Nesta quinta-feira, às 9h, haverá mais uma tentativa de retomada da sessão.

No dia 8 de abril, o júri também precisou ser adiado após uma jurada passar mal . Naquela ocasião, também após conclusão médica, a mulher não pode seguir no júri e o Conselho de Sentença precisou ser dissolvido, provocando o adiamento.

Ex-secretário: Campos confirma ordem para Ubiratan definir invasão ao Carandiru
Ex-governador: “A responsabilidade política é minha”, diz Fleury sobre Carandiru
Leia mais: Descrição do massacre e acusação contra Rota dominam 1º dia de júri

Segundo funcionários do tribunal, a interrupção é uma cautela do magistrado, que buscaria evitar novo adiamento. Nesta quarta-feira, o julgamento deve entrar na fase final com o interrogatório de quatro policiais militares que participaram da invasão ao complexo penitenciário em 1992.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.