MP de SP move ação contra uso de leitos psiquiátricos para internar dependentes

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo ação civil, governo do Estado está usando leitos de centros da tratamento psiquiátrico para atender a demanda de internações de dependentes de droga da capital

Agência Brasil

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) entrou nesta quinta-feira (11) com uma ação civil pública contra o Estado para impedir que leitos psiquiátricos sejam usados para o tratamento de dependentes químicos. A ação diz respeito ao procedimento adotado, desde janeiro deste ano, no Centro de Atenção Integrada em Saúde Mental (Caism) Philippe Pinel que destinou os 63 leitos existentes exclusivamente para os usuários de drogas.

Leia também: 
Comissão do Senado aprova projeto sobre internação compulsória de dependentes
Internação compulsória de usuários de crack começa com protesto em São Paulo
Entidades contrariam governo e excluem PM de ação de internação de dependentes

A medida foi tomada após o anúncio do projeto do governo estadual que visa a agilizar a internação de dependentes químicos. “Queremos que o Caism, que foi sempre um hospital que atendia de forma muito eficiente os pacientes em surto psicótico, retorne a sua original função. Os profissionais e a atual estrutura do hospital não têm condições de continuar atendendo dependentes químicos”, explicou o promotor Arthur Pinto Filho, da área de Saúde Pública.

Na avaliação do promotor, a decisão administrativa não permite que nenhum dos pacientes, psicóticos ou dependentes químicos, sejam atendidos de forma adequada. “Eles passaram a atender dependentes com um período de internação de 30 dias. Sem nenhum tipo de análise individualizada. Não recebe atendimento psiquiátrico, psicológico”, apontou. Ele destacou que o tempo adequado de internação seria de cerca de seis meses.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas