Linha 15 do Metrô de São Paulo deve desapropriar mais 49 imóveis

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Pontos afetados ficam em vias como a Avenida Ragueb Chohfi e a Estrada do Iguatemi. Inquilinos e proprietários começarão a ser notificados "nas próximas semanas", diz empresa

Agência Estado

O governo do Estado de São Paulo publicou ontem decreto que declara de utilidade pública 19,8 mil metros quadrados de imóveis na zona leste da capital para a construção do trecho final da Linha 15-Prata, que será um monotrilho. A área equivale a quase três terrenos do tamanho do Estádio do Pacaembu. Os pontos afetados ficam em vias como a Avenida Ragueb Chohfi e a Estrada do Iguatemi.

Mais: Haddad 'toma rédeas' de São Paulo nos primeiros 100 dias ao priorizar transporte

Segundo o Metrô, no total, deverão ser desapropriados 49 imóveis. A empresa disse que os proprietários e os inquilinos desses locais "começarão a ser notificados nas próximas semanas" e que, "durante o processo, equipes da Coordenadoria de Relacionamento com a Comunidade da companhia realizarão visitas às casas dos moradores para orientação e esclarecimentos em caso de dúvidas".

Trata-se do quarto decreto de utilidade pública para a construção da Linha 15. Os três anteriores foram publicados no ano passado, quando foram apontados 110 imóveis.

Estado cobra ação da Prefeitura para prosseguir com obras no Metrô de SP

Prédio com 68 unidades está no caminho do monotrilho

Criticado por muitos especialistas por ter uma capacidade de transporte menor do que o metrô convencional, o monotrilho, segundo a empresa, tem a vantagem de minimizar "a necessidade de desapropriações, pois o corpo central das estações fica localizado no canteiro central das avenidas pelas quais o monotrilho vai passar".

De acordo com a companhia, "apenas para a construção dos acessos e edificação de salas técnicas e operacionais, que são implementados nas laterais das avenidas, é que são necessárias desapropriações".

A Linha 15-Branca deve ser inaugurada em dezembro, mas em um trecho pequeno, de apenas duas estações - Vila Prudente e Oratório -, com 2,9 km. Quando estiver completa, seguirá até Cidade Tiradentes e terá 24,4 km de extensão e 17 estações. O segundo trecho, entre as paradas Oratório e São Mateus, com 10,1 km e oito estações, tem previsão de entrega para o ano que vem.

O último trecho, até Cidade Tiradentes, com 11,4 km e sete estações, será aberto em 2016, de acordo com o Metrô. Cada trem da Linha 15 terá 86 metros de comprimento e capacidade para mil passageiros, metade do que um trem normal de metrô. O sistema terá capacidade para atender a uma demanda de até 40 mil passageiros por hora e por sentido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: linha 15-brancamonotrilhoigspdesapropriaçõesmetrô

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas