Após 4 horas de pane, CPTM retoma a circulação de trens na Grande São Paulo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Princípio de incêndio no Centro de Controle e Operações da CPTM interrompeu a circulação de trens e fechou as estações de todas as linhas da região metropolitana da São Paulo

Após pelo menos quatro horas sem funcionar, as linhas de trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) reabriram neste sábado (06). Segundo a empresa, todas as estações das linhas 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa, fechadas desde as 13h por conta de um princípio de incêndio no Centro de Controle e Operações da CPTM, começaram a receber os usuários às 17h. O problema ocorrido por volta de 12h30 interrompeu a circulação de trens em todas as linhas da capital paulista e da Grande São Paulo. 

O problema: Princípio de incêndio paralisa todas as linhas de trem da Grande São Paulo

Oslaim Brito/Futura Press
Movimentação intensa na estação Brás do Metrô, que faz ligação com a CPTM, neste sábado

De acordo com a CPTM, a circulação de trens foi interrompida após um princípio de incêndio no sistema nobreak da iluminação do prédio. Por segurança, o prédio foi evacuado e, consequentemente, a circulação dos trens interrompida, com as composições estacionando nas plataformas mais próximas. As estações das linhas 11-Coral e 12-Safira só voltaram a funcionar mais tarde.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o problema foi registrado às 12h27. Três viaturas foram enviadas ao local. A estação foi evacuada por volta das 13h e não houve o registro de vítimas. A suspeita é que um curto circuito tenha iniciado o incêndio.

Leia também: No mês de aniversário, linhas da CPTM têm problemas em pelo menos 15 dias

Apesar de as linhas terem voltado a operar, a situação nas estações ainda era de confusão no fim da tarde. No terminal Barra Funda, um dos maiores da cidade, filas de pessoas que esperavam para tomar ônibus se formavam do lado de fora. Com a ausência dos trens, os passageiros foram obrigados a optar pelo Metrô ou pelo ônibus.

No entanto, nem todos tinham bilhetes apropriados, o que causava filas enormes nos guichês. Para a compra do bilhete do Metrô, a fila atravessava o principal saguão do terminal de ponta a ponta. Alguns funcionários da CPTM informavam à população que em breve os trens voltariam a funcionar, o que gerava uma aglomeração ainda maior nas proximidades dos portões de acesso aos locais de embarque.

"Eu estava no Brás e lá já estava sem trem. Só agora consegui chegar aqui na Barra Funda e ainda não sei quando vou conseguir chegar em Osasco, que é o meu destino. Uma viagem que eu faço em cerca de 30 minutos, hoje já está demorando mais de duas horas”, disse Francisco Nascimento, usuário da CPTM.

Do lado de fora do terminal, os ônibus do Plano de Apoio entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese), formavam um grande congestionamento, prejudicando o acesso ao terminal das pessoas que estavam de carro ou táxi.

* Com Agência Brasil

Leia tudo sobre: transcptmigspregião metropolitana de são paulo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas