Jovem diz que teve boca queimada ao consumir Ades em Ribeirão Preto

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Adolescente de 17 anos disse que não engoliu o suco, mas mesmo assim sofreu ferimentos no interior da boca. Amostras do procuto foram recolhidas pelo Instituto de Criminalística

Agência Estado

Divulgação
Embalagem do produto Ades de maçã

A Polícia Civil de Ribeirão Preto (SP) apura um caso de lesão contra um adolescente de 17 anos que diz ter queimado a boca ao consumir o suco Ades. Ele alega que não chegou a engolir o produto, mas mesmo assim sofreu vários ferimentos no interior da boca. A família contratou uma advogada que acompanha o caso, registrado há dez dias, mas que somente agora foi divulgado.

Mais: Anvisa suspende fabricação e venda de diversos lotes de produtos Ades

Catorze pessoas ingeriram suco Ades contaminado com produto de limpeza

Amostras do produto foram recolhidas pelo Instituto de Criminalística (IC) para exames. A Unilever disse que não comenta caso a caso e que o problema limita-se às 96 unidades produzidas em Pouso Alegre. Reitera, ainda, que já identificou a causa do problema de qualidade e implementou as medidas corretivas correspondentes.

De acordo com a empresa, foram retiradas do mercado todas as unidades produzidas na linha TBA3G, que seria a única a apresentar risco. A Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça convocou a Unilever a comparecer em audiência que será realizada na tarde de terça-feira com a presença da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Leia também: Anvisa acompanha recall da bebida Ades envazada com produto de limpeza

A Fundação Procon-SP esclarece, em nota, que o consumidor que possuia nota fiscal da compra dos sucos Ades contaminados com material de limpeza pode trocar o produto ou ser ressarcido no local da compra. Caso não tenha a nota fiscal, o consumidor deve entrar em contato com a Unilever.

Leia tudo sobre: unileveradescontaminaçãoanvisa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas