São Sebastião vai pedir ajuda ao Estado para atender desabrigados pelas chuvas

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Chuva entre sexta-feira e manhã de hoje representa mais da metade do previsto para todo o mês. Prefeitura decretou estado de calamidade pública na região no último domingo

Agência Brasil

O prefeito de São Sebastião, Ernane Primazzi, vai se reunir nesta tarde de segunda-feira com o secretário-chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, para pedir ajuda do governo paulista para atender aos mais de mil desabrigados em razão das chuvas que atingiram o município nesse fim de semana. Ontem (17), por volta das 20h, o prefeito decretou estado de calamidade pública.

Mais: Após fortes chuvas, São Sebastião decreta estado de calamidade pública

De acordo com a Defesa Civil, choveu cerca de 222 milímetros entre as 16h da última sexta-feira e as 7h de hoje. O volume é mais da metade do previsto para todo o mês. Os bairros mais prejudicados são Camburi, Boiçucanga, Baleia e Maresias, que ficam na costa sul do município. Essas localidades estão sem comunicação com o centro de São Sebastião, devido à queda de barreira que bloqueou a Rodovia Rio-Santos, entre os quilômetros (km) 156 e 159.

Apesar da dificuldade de acesso, a prefeitura garante que "as pessoas já estão recebendo assistência. Se o carro não passa, a gente faz a transferência dos mantimentos e dos materiais de apoio para um carro do outro lado", explicou Vera Alonso, chefe do Fundo Social de Solidariedade da prefeitura.

No Rio de Janeiro: Número de mortos sobe para 10 pelas chuvas em Petrópolis

De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem de São Paulo (DER-SP), não há previsão para liberação da Rio-Santos. Os motoristas estão sendo avisados da interdição na altura do km 136. A alternativa para chegar ao litoral é a Rodovia dos Tamoios. A Rodovia Mogi-Bertioga, nos trechos entre o km 77 e km 98, também está interditada por causa de deslizamentos.

Em menos de um mês, é a segunda vez que o município enfrenta dificuldades em decorrência das chuvas. No dia 22 de fevereiro, um temporal provocou a morte de Tainá Simões, de 11 anos, e deixou 168 pessoas desalojadas. "Ainda não sabemos se essas são as mesmas famílias que sofreram com a chuva de fevereiro, mas sabemos que são os mesmos bairros. Vamos fazer esse levantamento", explicou a chefe do Fundo Social de Solidariedade.

Vera Alonso informou que os turistas que costumam visitar as praias da costa sul no fim de semana também foram surpreendidos pelas chuvas. "O temporal vem de uma vez e atinge todo mundo, moradores ou não. Havia muitos turistas por aqui que tiveram problemas para conseguir voltar para casa", relatou.

Leia tudo sobre: chuvasão sebastiãocalamidade públicadesabrigados

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas