Advogados de acusação usaram a estratégia de não fazer perguntas ao réu acusado pela morte de Mércia Nakashima. Mizael acusa o delegado Antonio Olim de produzir as provas

O advogado Mizael Bispo de Souza negou em seu depoimento que tenha assassinado sua ex-namorada Mércia Nakashima em maio de 2010. “Não tenho coragem de tirar a vida de ninguém”, afirmou. Os advogados que tentam condenar o réu usaram a estratégia de não fazer perguntas a MIzael, causando surpresa nos jurados, advogados de defesa e família de Mércia, que assistem ao julgamento que acontece nesta terça-feira (13).

Leia também:  Defesa de Mizael contesta laudo e pede nova perícia

O primeiro a falar foi o promotor Rodrigo Merli Antunes: “Depois de seis versões apresentadas pelo réu, o Ministério Público não tem nenhuma pergunta. Questionado pelo juiz Leandro Cano, o assistente da acusação, Alexandre de Sá Domingues, decidiu fazer o mesmo. “Diante da vasta prova técnica, do autor, não tenho nenhuma pergunta a fazer”.

3º dia de julgamento:
Sapato comprova que Mizael esteve em uma represa, diz perito durante júri
Julgamento do caso Mércia "é uma farsa", diz advogado do réu
Veja como foi julgamento do Caso Mércia Nakashima até o momento


Antes da defesa começar a fazer seus questionamento, a mãe de Mércia, Janete Nakashima, se inclinou para frente e começou a chorar. Ela acompanhou todo o depoimento de MIzael olhando para o chão e para uma foto da filha.

2º dia de julgamento:
Acusação ironiza testemunhas de defesa de Mizael: "Colaborou muito conosco"
Pai de Mizael defende o filho: "É uma injustiça. Não é fácil assistir”
Rastreador instalado por Mércia em veículo compromete o acusado Mizael
Telefone 'frio' revela suposto comparsa de Mizael, diz delegado em depoimento

“Não tenho coragem de tirar a vida de ninguém”
Questionado pelo juiz se ele havia matado a ex-namorada, Mizael respondeu dizendo “não, excelência”. Ele voltou a negar o assassinato ao dizer que, quando policial, trabalhava na administração por “medo” de trocar tiros com bandidos. “Eu tinha medo. Quando eu fazia estágio em Franco da Rocha, os colegas viviam trocando tiros com marginais, eu me escondi debaixo de uma viatura. Eu não tenho coragem de tirar a vida de ser humano nenhum, quem tem esse direito é quem nos deu”.

A afirmação de MIzael provocou o riso no promotor Rodrigo Merli Antunes, que foi repreendido pelo juiz Leandro Cano.

Durante seu depoimento, o réu afirmou que o sapato com alga que é a principal prova que o liga ao crime, foi produzida pela polícia. Segundo ele, o sapato foi levado da casa dele quendo ele não estava lá. "Eu não conheço a represa e nem Nazaré Paulista", afirmou Mizael, que também disse que tinha bom relacionamento com a família da ex quando o irmão dela não estava perto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.