Ivon Ribeiro considerou os cálculos do tempo de percurso até a represa de Guarapiranga, onde o corpo de Mércia Nakashima foi encontrado

O advogado de defesa de Mizael Bispo dde Souza, Ivon Ribeiro contestou nesta quarta-feira (13) um laudo assinado pelo perito Hélio Rodrigues Ramacciotti sobre a reconstituição do crime que matou Mércia Nakashima. O perito prestou esclarecimentos sobre o percurso feito pelo veículo do vigia Evandro Bezerra Silva, que, em testemunho, disse ter apanhado Mizael Bispo de Souza próximo à represa em que o corpo de Mércia foi encontrado.

Leia mais:  Defesa tenta provar ausência de sangue, metal e ossos no sapato de Mizael

Ramacciotti falava sobre o tempo que a perícia conduzida por ele levou para refazer dois trechos do trajeto. O primeiro, entre um bar e o entroncamento de uma rodovia que liga as cidades de Nazaré Paulista a Guarulhos, e outro entre a margem da represa e mesmo entroncamento.

3º dia de julgamento:
Sapato comprova que Mizael esteve em uma represa, diz perito durante júri
Julgamento do caso Mércia "é uma farsa", diz advogado do réu
Acompanhe ao vivo o julgamento do Caso Mércia Nakashima

Ribeiro considerou equivocados os cálculos do perito porque a diferença de tempo para fazer os dois trajetos teria sido muito grande, embora as distâncias fossem pequenas e o veículo estivesse trafegando com a mesma velocidade média. Em um percurso de 9 quilômetros e 400 metros, o perito levou sete minutos e 30 segundos, enquanto o trajeto de 9 quilômetros e duzentos metros ele teria feito em quatro minutos e dez segundos, quase três minutos a menos.

2º dia de julgamento:
Acusação ironiza testemunhas de defesa de Mizael: "Colaborou muito conosco"
Pai de Mizael defende o filho: "É uma injustiça. Não é fácil assistir”
Rastreador instalado por Mércia em veículo compromete o acusado Mizael
Telefone 'frio' revela suposto comparsa de Mizael, diz delegado em depoimento

“Vou pedir nulidade desse documento. Essa conta é impossível. Não dá para prosseguir sem nova perícia. Vou requerem uma nova”, afirmou o advogado. A acusação pediu o “indeferimento do pedido” por considerar que o laudo já estava no processo. A decisão, que cabe ao juiz Leandro Cano, entregou a palavra final ao Conselho de Sentença.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.