População disputa lugar na plateia para assistir a julgamento do caso Mércia

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Fixação pela história trouxe dor de cabeça à polícia, que precisou investigar dezenas de falsas denúncias. Um homem chegou a ligar cem vezes para a família no dia do enterro

Reprodução
Mércia e Mizael namoraram quatro anos e dois meses

O assassinato da advogada Mércia Nikie Nakashima (28), em maio de 2010, causa até hoje comoção e “histeria” em alguns moradores de Guarulhos, onde viviam e trabalhavam a vítima e o acusado, o também advogado Mizael Bispo de Souza (42), suspeito de cometer o crime por não aceitar o fim do namoro entre os dois.

Mais:
Relatos de agressividade e ciúme reforçam suspeitas contra Mizael
Acusado, Mizael atuará como advogado em julgamento do caso Mércia Nakashima

A ansiedade pelo julgamento – que começa nesta segunda-feira (11) – não diminuiu nem com o anúncio de que os prováveis cinco dias de júri serão transmitidos pela TV: diariamente moradores da região vão ao fórum da cidade pedir senhas para garantir lugar no disputado auditório, que deve receber principalmente advogados, estudantes e familiares dos envolvidos no caso.

Os funcionários do fórum recebem até candidatos para o júri popular, uma escolha que cabe exclusivamente ao juiz, que pode pedir a autoridades locais ou associações de classe a indicação de cidadãos que sejam absolutamente isentos no caso.

Leia também: A cronologia do caso

A fixação pela história também trouxe dor de cabeça à polícia de Guarulhos, que precisou investigar dezenas de denúncias anônimas. O inquérito policial cita a ligação de homem que dizia ter visto o casal juntos depois do dia 23, data do crime. Houve até quem assumisse a autoria do assassinato.

Mas a denúncia que mais chamou a atenção dava outra versão para o crime: interessado em extorquir a família de Mércia, Mizael teria contratado dois capangas para sequestrar a advogada e mantê-la presa nos fundos de uma residência na cidade de Nazaré Paulista, cidade onde o assassinato de fato ocorreu.

Foto anexada ao processo mostra intimidade do casal Mércia e Mizael, que namoraram quatro anos e dois meses. Foto: Reprodução"Ela sempre foi tratada como uma rainha", afirmou Mizael em depoimento. Foto: ReproduçãoO namoro de Mércia e Mizael começou no dia 21 de julho de 2005. Foto: ReproduçãoMizael admitiu tentativa de reatar o namoro, que acabou oficialmente no dia 7 de setembro de 2009. Foto: ReproduçãoMércia é lembrada como personagem atuante na campanha frustrada de Mizael à Câmara Municipal de Guarulhos, em 2006  . Foto: ReproduçãoVista do plenário em que Mizael Bispo de Souza e Evandro Bezerra Silva serão julgados este ano, o primeiro no dia 11 de março e o segundo no dia 29 de julho . Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG

A polícia encontrou o lugar, os suspeitos apontados pelo denunciante, mas desistiu dessa linha de investigação depois do testemunho de um pescador, que apontou o real local do crime: a represa em que o corpo e o carro de Mércia foram encontrados.

O delegado responsável pelo inquérito, Antônio de Olim, descreve no processo “uma série de denúncias anônimas”, como a de um certo Henrique, que ligava para a família da vítima “passando informações falsas, solicitando resgate para a devolução de Mércia”. Só no dia do funeral, ele ligou cem vezes para membros da família Nakashima.

“Tais versões são fruto de fixação por parte desses indivíduos com o caso”, diz Olim, que atribui “o clima de histeria na sociedade” à divulgação do caso pela mídia.

Transmissão

O promotor que vai tentar condenar Mizael, Rodrigo Merli Antunes, lembra que a organização do julgamento tomou as providências para evitar que o clamor popular influencie o júri. “O quarteirão está isolado. Lá dentro ninguém vai ouvir manifestação, e quem o fizer no auditório será posto para fora.”

Ele acredita que, além de evitar que os cidadãos se “digladiem por senha”, a transmissão pela TV “vai mostrar à população como funciona o júri, permitindo sugestões e críticas para a instituição”.

“Hoje no Brasil se conhece mais como funciona o júri norte-americano do que o brasileiro. Da minha parte, eu vou esquecer que estou diante das câmeras.”

Leia: Vigia acusa Mizael de oferecer R$ 6 mil por nova versão para morte de Mércia

Leia tudo sobre: caso mérciamércia nakashimajulgamentopopulaçãoguarulhosigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas