'Espero não encontrar Mizael', diz irmão de Mércia Nakashima ao chegar para júri

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Márcio Nakashima foi visto chorando na entrada do Fórum Criminal de Guarulhos, em SP. Arrolado como testemunha de acusação, Márcio deve falar sobre o perfil violento do réu

O irmão da advogada Mércia Nakashima, Márcio Nakashima, chorou ao chegar ao Fórum Criminal de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, para o julgamento do único acusado pelo assassinato da irmã em maio de 2010, o policial reformado Mizael Bispo de Souza (43), ex-namorado da vítima. O júri popular começa nesta segunda-feira e deve durar até cinco dias. 

Júri popular: 'Mizael será a sua própria condenação', diz advogado da família de Mércia
Mais: População disputa lugar na plateia para assistir a julgamento do caso Mércia

Marcos Bezerra/Futura Press
Márcio Nakashima, irmão da vítima Mércia, chega ao Fórum de Guarulhos para o primeiro dia de júri

Márcio disse aos jornalistas que chegou a cortar relações com a irmã nos quatro anos em que ela namorou Mizael. Arrolado como testemunha pelo Ministério Público, responsável pela acusação, ele deve falar do suposto perfil violento do réu. De terno e gravata, Márcio tentou não falar com a imprensa, mas acabou chorando ao comentar o caso.

Marcos Bezerra/Futura Press
Populares em frente ao Fórum de Guarulhos pedem absolvição de Mizael; júri pode durar cinco dias

“Espero não encontrar o Mizael”, disse. “Vou responder ao que me for perguntado”. Encerrando a conversa, disse que esse é o momento mais difícil para ele desde que o crime ocorreu. O pai de Mércia, Mário Macoto, também chegou. Cercado por jornalistas, disse apenas que gostaria de ver “justiça”.

Cartazes

Enquanto a imprensa cercava Márcio, do outro lado da rua mulheres seguram faixas pedindo a absolvição do acusado. “Mizael é inocente, queremos justiça”, dizia uma delas. A pintora de automóveis Carmen Lúcia, de 42 anos, disse que acordou cedo para pedir a absolvição de um amigo. “Conheço ele e sua família a 18 anos. Acredito na inocência dele. O contato que tive com ele depois do crime me mostra que ele é verdadeiro nas coisas que diz. Ele sofreu demais com tudo isso”.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas