Bombas e tiros da PM cegam adolescente em Paraisópolis

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo moradores, desde novembro policiais praticam procedimentos violentos para estabelecer a lei do silêncio. Acusações estão sendo apuradas pela Corregedoria da PM

Agência Estado

Uma menina de 17 anos saiu na noite de sábado com o irmão e o namorado em Paraisópolis, na zona sul de São Paulo. Era madrugada de 12 de janeiro quando eles chegaram à Rua Melchior Giola, centro comercial do bairro. Policiais militares surgiram em cinco viaturas lançando bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo, disparando tiros de borracha para obrigar o comércio a fechar. A menina se escondeu atrás de uma árvore e recebeu um disparo de bala de borracha no olho esquerdo, que a deixou cega.

O ferimento da menina foi um dos relatos entre 40 depoimentos apresentados à Secretaria da Segurança Pública (SSP-SP) na semana passada descrevendo os abusos da Polícia Militar em Paraisópolis. Segundo os moradores, desde novembro integrantes da PM entram nas ruas do bairro para estabelecer a lei do silêncio a comerciantes e jovens. As acusações estão sendo apuradas pela Corregedoria da PM e pela Delegacia Geral.

Leia mais: Em um mês, operação na favela de Paraisópolis tem 107 presos em SP

Em Paraisópolis, conforme os moradores relataram ao jornal O Estado de S. Paulo, os procedimentos violentos começaram depois que a PM encontrou, em outubro de 2012, uma lista com o nome de 40 policiais supostamente marcados para morrer. A lista seria uma ordem feita por integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) durante a onda de ataques no segundo semestre do ano passado.

Com as incursões da PM, um dono de bar disse que passou a vender cerveja só com fichas para evitar prejuízos. Os policiais soltavam as bombas e obrigavam todos a correrem sem pagar a conta. O mesmo problema foi enfrentado por donos de pizzarias e restaurantes da rua.

Anonimato
Ao contrário do que ocorreu outras vezes em Paraisópolis, e do que ocorre também em outros bairros de periferia, agora os moradores se organizaram para tentar denunciar os abusos dos policiais. Os depoimentos, todos anônimos, foram colhidos pela ONG Tribunal Popular. Eles também reuniram fotos e vídeos para levar à SSP. Foram ainda enviados os números das placas das viaturas e o nome do principal oficial acusado das arbitrariedades. Na favela, o grupo de policiais violentos é conhecido como o "bonde do careca".

A SSP-SP informou, por meio de nota, que já havia determinado a apuração imediata, tanto pela Polícia Civil quanto no âmbito da Corregedoria da PM, das denúncias encaminhadas pelas entidades. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: paraisópolispmpolíciamortes em são pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas