Júri de Mizael Bispo de Souza será transmitido ao vivo por TV e rádio

Por Agência Estado | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Tribunal acredita que medida pode ajudar a tornar procedimento mais imparcial e evitar aglomeração em frente ao fórum; acusação e defesa concordam com proposta

Agência Estado

AE
Mizael Bispo de Souza está foragido desde o dia 7 de dezembro de 2010

A Justiça paulista vai permitir pela primeira vez na história a transmissão ao vivo de um júri por emissoras de televisão. A partir de segunda-feira (11), o público de todo o País poderá acompanhar o julgamento do advogado e policial militar aposentado Mizael Bispo de Souza, acusado de matar a ex-namorada, Mércia Nakashima, em maio de 2010.

Leia mais: Justiça decide que júri do caso Mércia Nakashima será em março de 2013

Autor da ideia, o juiz Leandro Bittencourt Cano, do Tribunal do Júri de Guarulhos, acredita que a transmissão pode ajudar a tornar o procedimento mais imparcial e evitar que algumas pessoas fiquem na frente do fórum. O quarteirão do prédio será interditado. "Minha preocupação é a imparcialidade do jurado, que ele não chegue aqui com uma ideia predefinida. O fato de estar todo mundo acompanhando, vendo as provas e a parte técnica do júri, pode ajudar."

Acusação e defesa concordaram com a proposta do juiz. Empresas de TV, rádio e internet montaram um grupo para decidir como as imagens serão produzidas e distribuídas. Os jurados não poderão ser filmados. O juiz também pretende evitar a superexposição do réu.

Leia também: Evandro revela conversa de Mizael: 'Aquele lugar era raso'

Mais: Justiça nega recurso e mantém júri popular para Mizael e Evandro

Arquivo pessoal
A advogada morta Mércia Nakashima

O promotor Rodrigo Merli Antunes afirmou que é favorável à transmissão. "As sessões e julgamentos são públicos e qualquer pessoa deveria poder acompanhar. Por questões físicas, isso não é possível (não cabe todo mundo no plenário), então nada melhor que todos terem a oportunidade de acompanhar pela TV."

Advogado do ex-PM, Samir Haddad afirmou que, no início, tinha receio de que a transmissão pela TV prejudicasse o julgamento. "A gente temia porque poderia influenciar os jurados, viraria um Corinthians e Palmeiras em rede nacional", disse. Mas ele mudou de opinião e vê, hoje, aspectos positivos. "(O julgamento) Será um marco, o 'big brother' do Judiciário." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas