Suspeito de assassinar o pai e a madrasta, réu vai abrir mão do direito de permanecer em silêncio para responder as perguntas da acusação

Único suspeito de matar o pai Luiz Carlos Rugai e a madrasta Alessandra de Fátima Troitino , em 2004, o estudante Gil Rugai (29) deve ser interrogado nesta quinta-feira (21), quarto dia do julgamento no Fórum Criminal da Barra Funda, zona oeste de São Paulo. De acordo com o advogado de defesa, Thiago Anastácio, o réu vai abrir mão do direito de permanecer em silêncio para responder todas as questões que lhe forem dirigidas. O defensor fez apenas uma ressalva:

"Ele responderá, tenha a mais absoluta certeza. A não ser que haja algo como uma falta de respeito. Se o réu for desrespeitado, ele cala", ameaçou Anastácio. Ele justificou a decisão afirmando que Gil Rugai seria "a única pessoa no processo que sempre deu a mesma versão".

Depoimentos do terceiro dia:
'Eu acredito nele', declara irmão de Gil Rugai
Defesa de Gil Rugai explora 'falhas e abusos' da polícia no terceiro dia de júri
Contador diz que 'é complicado' encontrar suposta fraude feita por Gil Rugai
Defesa chama antropóloga da USP para desmistificar comportamento de Gil Rugai

Réu Gil Rugai no segundo dia do júri popular, em SP
Alice Vergueiro/Futura Press
Réu Gil Rugai no segundo dia do júri popular, em SP

O réu só não se pronuncia hoje se as inquirições das duas testemunhas arroladas pelo juiz Adilson Paukoski Simoni durarem todo o dia, o que é improvável.

Espera-se que a fala de Rugai seja a mais longa de todo o julgamento. Até agora o delegado responsável por investigar o caso, Rodolfo Chiarelli, foi a testemunha por mais tempo ouvido: 6 horas.

Perfil: Excêntrico e calado, Rugai é preservado por advogados como estratégia da defesa

"É natural que os jurados queiram entender o que se passou com Gil. A questão do [shopping] Frei Caneca, para ele onde foi, por onde passou…", explicou o advogado, que sustenta que Rugai estava no shopping no momento em que seu pai e madrasta foram assassinados a tiros.

Cansaço

Enxugando o suor com um lenço, Anastácio não disfarçou o cansaço do julgamento. Ao ser questionado sobre suas impressões gerais do terceiro dia de trabalhos, ele esqueceu das provas e contraprovas e fez um desabafo: "O cansaço começou a tomar conta de todo mundo. O rito do Juri precisa ser repensando neste País. Isso é um fato. Talvez seja hora de mudar, dar uma enxugada, resguardar mais e mais os direitos individuais. Porque um julgamento desse porte, com tantas testemunhas e por tantos dias, leva a uma exaustão física absolutamente incomum".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.