Para Zagallo, magistrado estaria sendo "omisso" contra possível abuso dos defensores de Gil Rugai. Já advogado classifica postura da promotoria como "estratégia infeliz"

Promotor Rogério Zagallo durante entrevista no primeiro dia do júri, na zona oeste de São Paulo
Alice Vergueiro / Futura Press
Promotor Rogério Zagallo durante entrevista no primeiro dia do júri, na zona oeste de São Paulo

O promotor Rogério Zagallo, responsável por tentar provar que Gil Rugai matou o pai e a madrasta em 2004, chegou para o quarto dia de julgamento do réu enfileirando críticas ao juiz Adilson Paukoski, que estaria sendo "omisso" contra possíveis abusos dos advogados de defesa. Os trabalhos são realizados na Fórum Criminal da Barra Funda, zona oeste de São Paulo, desde segunda-feira (18). A sessão foi retomada nesta manhã por volta das 10h30. 

4º dia: "Se Gil Rugai for desrespeitado, ele se cala", ameaça advogado

'Se alguém viu o juiz nesse julgamento me avise', ironizou Zagallo nesta manhã em frente ao fórum durante entrevista aos jornalistas. Usando adjetivos como 'omisso', 'permissivo', 'conivente' e 'contemplativo', o promotor chegou a dizer que respeita o magistrado "embora faltasse firmeza" em seu trabalho.

O conflito começou ontem (20), durante o terceiro dia do júri, quando Zagallo tentava ler um depoimeto à uma testemunha de defesa. Após uma intervenção da defesa de Rugai, o promotor foi interrompido pelo juiz, que pediu uma posição mais direta e objetivo durante questionamentos.

Depoimentos do terceiro dia:
'Eu acredito nele', declara irmão de Gil Rugai
Defesa de Gil Rugai explora 'falhas e abusos' da polícia no terceiro dia de júri
Contador diz que 'é complicado' encontrar suposta fraude feita por Gil Rugai
Defesa chama antropóloga da USP para desmistificar comportamento de Gil Rugai

Zagallo então rebateu lembrando que no dia anterior, na terça-feira (19), o magistrado não se incomodou com a exibição de um vídeo apresentado pela defesa que durou pelo menos dez minutos. "Tenho respeito por ele, mas me causa estranheza a forma que está deixando o julgamento".  

Questionado pelos jornalistas, Thiago Anastácio, que integra a equipe defensora de Rugai, logo afirmou que a postura da promotoria (de criticar os trabalhos do juiz)  "é uma técnica retrograda e infeliz normalmente atribuida aos advogados que estão perdendo o processo". "É a estratégia de atacar o adversário após ter perdido a razão", disse. 

Réu deve falar

Único suspeito de matar Luiz Carlos Rugai e Alessandra de Fátima Troitino , Gil Rugai deve ser interrogado nesta quinta-feira. Segundo Anastácio, o réu vai abrir mão do direito de permanecer em silêncio para responder todas as questões que lhe forem dirigidas. O defensor fez apenas uma ressalva:

"Ele responderá, tenha a mais absoluta certeza. A não ser que haja algo como uma falta de respeito. Se o réu for desrespeitado, ele cala", ameaçou o defensor. Ele justificou a decisão afirmando que Gil Rugai seria "a única pessoa no processo que sempre deu a mesma versão".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.