Locais que sofriam com enchentes há 20 anos ainda alagam em São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Entre 12 vias que registraram alagamentos nos primeiros meses de 1993 e 2003, apenas uma não sofreu com as chuvas neste ano. Prefeitura diz que estuda 'pacote de medidas'

Agência Estado

A água represada na praça da Bandeira, no centro da cidade de São Paulo, interditou o local. O viaduto Antártica, na zona oeste, fechou por causa do alagamento na avenida Marquês de São Vicente. O trânsito na via Anchieta ficou complicado por causa do transbordamento do Ribeirão dos Couros, na zona sul. Tudo isso aconteceu depois dos temporais dos últimos dias em São Paulo. Mas foram também frases de reportagens sobre enchentes publicadas 10 ou 20 anos atrás.

Mais: São Paulo registra 99,3% da média de chuva esperada para o mês de fevereiro

Investimento: Prefeito de São Paulo diz que rede de semáforos é 'sucateada'

Tércio Teixeira/Futura Press
Chuva e alagamento no Anhangabaú, saídas para avenida 9 de Julho e 23 de Maio, em São Paulo, na terça-feira

O jornal O Estado de S. Paulo pesquisou 12 vias que tiveram enchentes nos dois primeiros meses de 1993 e de 2003 para verificar se voltaram a alagar neste ano. Só uma passou incólume até agora: a avenida Pacaembu, na zona oeste, que costumava inundar há duas décadas. Os outros 11 pontos seguem sofrendo com transtornos de alagamentos. Basta chover forte para inundarem, complicando o trânsito e a vida de pedestres, moradores e comerciantes.

A rua Turiaçu, na Pompeia, na zona oeste, é um desses pontos. Há 10 anos, reportagem já informava que a via havia ficado cheia de água em uma tarde de janeiro. Não muito longe, a avenida Marquês de São Vicente, perto do viaduto Antártica, também inundava, isolando veículos. Os dois pontos voltaram a alagar com a chuva dos últimos dias.

Paulo Preto/Futura Press
Alagamento na região da Vila Pompéia, em São Paulo, nesta terça-feira (19)

No centro, o fechamento do túnel do Anhangabaú e dos primeiros metros da avenida 23 de Maio já ocorriam em temporais de 1993. No começo da semana, alagaram de novo, assim como trechos da Radial Leste e avenida Aricanduva, na zona leste. Nem a famosa rua 25 de Março escapa. Apesar de não alagar tanto quanto em 2003, ainda sofre com enormes espelhos d’água.

Na esquina da avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello com a rua Bento Sabino dos Reis, na Vila Ema, zona leste, a população é obrigada a conviver com as enchentes todo ano. Dos 22 verões que a comerciante Neide da Silva, de 47 anos, passou em sua casa naquela rua, em apenas dois não presenciou um transbordamento. Ela diz que não consegue dormir quando chove e o nervosismo a fez procurar tratamento psicológico. Na segunda-feira, Neide perdeu móveis e eletrodomésticos.

Um caso parecido é o da rua Mateus Mascarenhas, no Limão, na zona norte. Já há dez anos, a via alagava bastante. No início desta semana, suas casas voltaram a sofrer com a água suja. É o que conta a atendente Tamara Regina dos Santos, de 21 anos. "Perdi a geladeira, que havia colocado na garagem."

Vila Madalena

Outros locais são a via Anchieta, no quilômetro 13, zona sul, e o cruzamento das avenidas Brasil e Rebouças, em Pinheiros, zona oeste. A Vila Madalena também tem enxurradas tanto quanto dez anos atrás. Em nota, a Prefeitura informou que houve intervenções em alguns pontos citados e que estuda "um pacote de medidas" para o problema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: enchenteschuvaalagamentosigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas