Ex-sócio viu arma de Gil Rugai e relata ter sofrido ameaças dias após depoimento

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Testemunha confirmou versão dada à polícia e que sentiu desconforto ao saber que réu tinha uma arma. Rudi Otto relatou ainda que recebeu recado dizendo que "ele seria o próximo"

O ex-sócio de Gil Rugai na KTM Comunicações, Rudi Otto, confirmou em depoimento que viu a suposta arma que matou o pai do réu, Luiz Carlos Rugai, e a madrasta Alessandra de Fátima Troitino em março de 2004. Embora não tenha confirmado se a arma era real ou de brinquedo, Otto relatou a sensação de "desconforto" após ter visto.

4º dia de júri: 'Se alguém viu o juiz nesse julgamento me avise', ironiza promotor

A testemunha, convocado pelo juiz Adilson Paukoski e o primeiro a ser ouvido no quarto dia de júri, também relatou ameaças sofridas após seu depoimento à polícia, três dias depois do duplo homicídio. "Não sei falar se a arma era verdadeira ou falsa", admitiu Otto.

A pistola estava dentro de uma pasta de couro apelidada por Rugai de "mala de fuga". Nela, havia o revólver, uma estrela ninja, duas facas, um canivete, selos que lhe pareceram LSD e notas de dólares e reais. "Não foi confortável saber que ele tinha uma arma".

Depoimentos do terceiro dia:
'Eu acredito nele', declara irmão de Gil Rugai
Defesa de Gil Rugai explora 'falhas e abusos' da polícia no terceiro dia de júri
Contador diz que 'é complicado' encontrar suposta fraude feita por Gil Rugai
Defesa chama antropóloga da USP para desmistificar comportamento de Gil Rugai

Gil Rugai é visto chegando para o 5º dia de júri pelo subsolo do fórum, em São Paulo . Foto: Alice Vergueiro/Futura PressAdvogado de defesa Thiago Anastácio, durante chegada ao Fórum da Barra Funda, nesta terça-feira. Foto:  Alice Vergueiro/Futura PressRéu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular, em SP. 'Eu não matei. Sou inocente', disse. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressO perito Adriano Issamu Yonanime, ao deixar o Fórum da Barra Funda. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGDefensores ocupam lugar no Salão do Júri no fórum. Cinco homens e duas mulheres decidirão o futuro de Rugai. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressJuiz Adilson Simoni (ao centro) e equipe de acusação no plenário do Fórum Criminal da Barra Funda . Foto: Alice Vergueiro / Futura PressGil Rugai chega ao Fórum da Barra Funda, em São Paulo, com a mãe e o irmão. Foto: Futura PressPromotor Rogério Zagallo durante entrevista no primeiro dia do júri, em SP. Foto: Alice Vergueiro / Futura PressPerito Ricardo Molina, convocado para auxiliar a defesa, concedeu entrevista aos jornalistas em frente ao fórum. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressLéo Rugai, irmão do réu, chega ao Fórum Criminal da Barra Funda para acompanhar o julgamento. Foto: Terra Britto/Futura Press

Otto contou ainda que desconfiou de Rugai logo que soube do crime. Ele teria corrido para o escritório procurar a pistola, mas não a encontrou. Questionado pela promotoria, o ex-sócio confirmou as declarações feitas à polícia há nove anos: Rugai teria apresentado um "comportamento estranho" na semana anterior ao crime. O réu teria sido afastado da empresa familiar pelo próprio pai e confirmou que os dois não tinham afinidade.

Ameaças

Otto também repetiu as ameaças recebidas em sua secretária eletrônica no dia 6 de abril de 2004, dias depois do depoimento. "Para mim, (as ameaças) estavam ligadas ao caso porque eu estava exposto". A gravação dizia: "Fala para o Rudi ficar ligeiro porque o próximo é ele".

A testemunha contou ainda que encontrou em uma gaveta de Rugai uma anotação com os nomes, números de documentos e placas dele e da namorada."Eu fiquei com medo". Para a defesa, Rugai pretendia investigar o sócio por razões de segurança.

Leia tudo sobre: gil rugaijulgamentoigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas