Ex-seminarista foi ouvido no 4º dia de júri. Após responder às perguntas do juiz e primeiros questionamentos da acusação, Gil Rugai decidiu, aconselhado pela defesa, ficar em silêncio

O réu Gil Rugai, acusado de matar pai e madrasta em 2004 , é interrogado desde as 15h50 desta quinta-feira, no Fórum da Barra Funda, zona oeste de São Paulo. Ao ser questionado pelo juiz Adilson Paukoski, o réu negou a autoria do crime. 'Não fui eu. Agora quem foi eu não sei', disse.

4º dia de júri: Sócio viu arma de Gil Rugai e relata ter sofrido ameaças dias após crime
3º dia de júri: 'Eu acredito nele', declara irmão de Gil Rugai
2º dia de júri: Promotor do caso Rugai espera 'ansioso' relação entre vídeo e duplo homicídio
1º dia de julgamento: Acusação minimiza lapso em vídeo que 'trocou os pés' de Gil Rugai

Réu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular, em SP. 'Eu não matei. Sou inocente', disse
Alice Vergueiro/Futura Press
Réu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular, em SP. 'Eu não matei. Sou inocente', disse

O réu ainda declarou que mantinha um bom relacionamento com o pai, Luiz Carlos Rugai, e a madrasta, Alessandra de Fátima Troitino. Segundo Gil, "havia respeito mútuo entre ele a madrasta". 

Gil Rugai também negou já possuiu uma arma de verdade e disse as únicas munições reais que teve foram três cápsulas de fuzis da 2 ªGuerra Mundial, que comprou em uma loja de antiguidades.

O réu respondeu às perguntas feitas pelo juiz por aproximadamente uma hora e meia, quando começou a ser interrogado pela acusação. Sempre calmo e sem alterar a voz, Gil Rugai respondeu aos questionamentos sem entrar entrar em detalhes e dar opiniões sobre as provas contra ele.

Mas após o promotor fazer afirmações do processo e questionar a opinião do réu, um dos advogados de defesa aconselhou Gil a não se posicionar mais sobre essa afirmações. "A partir de agora, você está aconselhado a não responder mais às afirmações do promotor, apenas às perguntas", disse o advogado.

O pedido do advogado iniciou uma pequena discussão entre a defesa e acusações, até o juiz teve interveio. Então a defesa pediu que Gil Rugai não respondesse a mais nenhuma pergunta do promotor. Gil Rugai atendeu a recomendação e afirmou que não responderia a mais às questões. Então o juiz interrompeu a sessão, que após cerca de 30 minutos, foi retomada.

Como decidiu não responder às perguntas da acusação, o juiz decidiu que o réu começaria a responder às questões feitas pela defesa. 

Durante a apresentação da defesa, os advogados tentaram desmontar o testemunho do instrutor de voo, Alberto Bazaia Neto, de 29 anos, que disse no dia 23 de maio de 2004, uma terça-feira, o pai teria expulsado o filho de casa e da empresa durante um jantar, após Gil ter admitido um descalque.

A defesa pegou extratos telefônicos do dia 23 em que Gil Rugai teria trocado ligações com o pai, cada um de sua empresa, em determinados horários que desmentiriam as acusação da testemunha. Segundo a defesa, essas provas já existiam no processo desde o primeiro dia, mas não foram periciadas pela polícia.

Perfil: Excêntrico e calado, Rugai é preservado por advogados como estratégia da defesa

Neste quarto dia de júri, além do depoimento do ex-sócio de Gil , outras duas testemunhas convocadas pelo juízo foram ouvidas. Em seu depoimento, Rudi Otto confirmou a versão dada à polícia dias após o crime. Segundo ele, Rugai tinha uma "mala de fuga".

Na mala, havia o revólver, uma estrela ninja, duas facas, um canivete, selos que lhe pareceram LSD e notas de dólares e reais. "Não foi confortável saber que ele tinha uma arma". Otto contou ainda que desconfiou de Rugai logo que soube do crime. Ele teria corrido para o escritório procurar a pistola, mas não a encontrou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.