Léo Rugai foi ouvido no terceiro dia do júri popular que decidirá se o irmão é culpado pelo duplo homicídio de Luiz Carlos Rugai e Alessandra de Fátima Troitino, em 2004

Sexta testemunha de defesa a ser ouvida nesta quarta-feira (20), Léo Rugai, de 27 anos, declarou que acredita na inocência do irmão, Gil Rugai, acusado de matar a tiros o pai de ambos , o empresário Luiz Carlos Rugai, e a madrasta, Alessandra de Fátima Troitino. 

Depoimentos de hoje :
Defesa de Gil Rugai explora 'falhas e abusos' da polícia no terceiro dia de júri
Contador diz que 'é complicado' encontrar suposta fraude feita por Gil Rugai
Defesa chama antropóloga da USP para desmistificar comportamento de Gil Rugai

Léo Rugai, irmão do réu, chega ao Fórum Criminal da Barra Funda para acompanhar o julgamento
Terra Britto/Futura Press
Léo Rugai, irmão do réu, chega ao Fórum Criminal da Barra Funda para acompanhar o julgamento

A participação de Léo Rugai diante do júri começou por volta das 19h. Ele comentou sobre a "estranheza" do irmão e falou sobre a relação dos dois com o pai e a madrasta,  antes de, por volta das 20h, afirmar ao advogado de defesa o motivo pelo qual estava testemunhando a favor do irmão: "Porque eu o conheço. Eu acredito nele".

Léo admitiu que chegou a desconfiar de Gil logo depois da prisão, mas mudou de ideia no primeiro encontro com irmão. Na ocasião, o acusado afirmou que tinha provas de que estava em seu escritório no momento do crime. "Havia ligações feitas da empresa dele no momento". 

Perfil: Excêntrico e calado, Rugai é preservado por advogados como estratégia da defesa

Em outro trecho de sua declaração, Léo admtiu que ele e o irmão gostavam de brincar com canivetes e armas de chumbo desde pequenos. Mas ele frisou que o irmão não era uma pessoa diferente das outras. "Quaisquer objetos de uma pessoa observados separadamente podem parecer estranhos, mas quem conheceu o Gil o considerava uma pessoa normal", disse. 

Falando pouco, Leó disse aos advogados de defesa que não sabia da autorização supostamente dada pelo pai para que Gil falsificasse sua assinatura em negociações da empresa. O irmão do réu ainda declarou que a avó deles, dona Odete, que já morreu, visitava o neto na prisão e acreditava que Gil não tinha participação na morte do filho.

Após a equipe de acusação decidir não fazer nenhum pergunta a Léo, a sessão foi encerrada no Fórum Criminal da Barra Funda, zona oeste de de São Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.