Perito confirma lesão em pé de Gil Rugai, mas evita relacioná-la ao crime

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Instituto de Criminalística defende que edema foi causado por arrombamento de porta

O médico perito Daniel Romero Munhoz confirmou em depoimento nesta segunda-feira (18) que Gil Rugai – acusado de matar a tiros o pai e a madrasta em março de 2004, em São Paulo – tinha um edema no centro do pé direito. O especialista evitou, no entanto, relacionar o ferimento ao chute que Rugai teria dado para arrombar a porta da casa do pai, Luiz Carlos Rugai, antes de atirar cinco vezes contra ele e outras seis vezes contra a madrasta, Alessandra de Fatima Trotino, como diz a tese que a acusação sustenta.

1º depoimento do dia: Vigia confirma ter visto Gil Rugai deixar local do crime após disparos

Gil Rugai é visto chegando para o 5º dia de júri pelo subsolo do fórum, em São Paulo . Foto: Alice Vergueiro/Futura PressAdvogado de defesa Thiago Anastácio, durante chegada ao Fórum da Barra Funda, nesta terça-feira. Foto:  Alice Vergueiro/Futura PressRéu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular, em SP. 'Eu não matei. Sou inocente', disse. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressO perito Adriano Issamu Yonanime, ao deixar o Fórum da Barra Funda. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGDefensores ocupam lugar no Salão do Júri no fórum. Cinco homens e duas mulheres decidirão o futuro de Rugai. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressJuiz Adilson Simoni (ao centro) e equipe de acusação no plenário do Fórum Criminal da Barra Funda . Foto: Alice Vergueiro / Futura PressGil Rugai chega ao Fórum da Barra Funda, em São Paulo, com a mãe e o irmão. Foto: Futura PressPromotor Rogério Zagallo durante entrevista no primeiro dia do júri, em SP. Foto: Alice Vergueiro / Futura PressPerito Ricardo Molina, convocado para auxiliar a defesa, concedeu entrevista aos jornalistas em frente ao fórum. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressLéo Rugai, irmão do réu, chega ao Fórum Criminal da Barra Funda para acompanhar o julgamento. Foto: Terra Britto/Futura Press

Designado pela Justiça para examinar o acusado logo depois do crime, Munhoz não identificou nenhum machucado depois de realizar um exame físico e um raio-X. O edema ósseo só foi identificado depois de uma ressonância magnética.

“A conclusão é que no exame físico não encontramos trauma, no raio-X também não, mas na ressonância vimos o edema ósseo no pé direito. Um edema pós-contusão”, explicou o médico. Questionado sobre a data do trauma, ele respondeu dizendo que “normalmente um trama pode ser identificado por ressonância até 60 dias depois do evento”.

“Tratava-se de uma lesão aguda, de algumas semanas”, concluiu.

Estratégia da defesa:
Defesa vai indicar dois novos suspeitos do caso Gil Rugai
Advogados querem provar que acusado trabalhava na hora do crime

Defesa

A defesa de Rugai tentou desqualificar a conclusão do Instituto de Criminalística, que relacionou o machucado identificado no exame ao arrombamento da porta. O advogado Thiago Anastácio lembrou ao médico que ele não foi chamado para fazer parte da equipe que estudou seu laudo. Munhoz respondeu à questão lembrando que sua participação seria desnecessária.

“Se precisassem de mim, eu participaria, mas eu acho desnecessário porque o Instituto de Criminalística faz isso todo dia”.

Leia tudo sobre: gil rugaijúri popularjulgamentoigspcrime

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas