Prefeitura de São Paulo manda fechar 26 locais após blitz

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Dos 26 endereços listados, 24 não têm nem sequer o documento que atesta a segurança do estabelecimento e é exigência para obtenção do alvará de funcionamento

Agência Estado

A Prefeitura de São Paulo mandou fechar 26 estabelecimentos considerados irregularidades pelo Corpo de Bombeiros no primeiro dia de vistorias na cidade, feito na noite de terça para quarta-feira. Na relação, há casas noturnas, teatros, restaurantes, igrejas e até escola de samba. Segundo os agentes, todos eles têm pendências relacionadas ao programa de combate a incêndios. Hoje, começará uma força-tarefa para fiscalização de outros "locais de reunião".

Dos 26 endereços listados, 24 não têm nem sequer o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) - documento que atesta a segurança do estabelecimento e é uma exigência legal para obtenção do alvará de funcionamento. Ao todo, 39 casas foram visitadas pela Operação Prevenção Máxima, iniciada após o incêndio que matou 236 pessoas na boate Kiss, em Santa Maria (RS), no domingo.

Leia mais: 
Após visita do iG, boate Zé Presidente promete melhorar segurança
iG testa a segurança de quatro casas noturnas de São Paulo

As interdições começariam na noite desta sexta-feira (1) em regiões distintas da cidade. Na zona norte, a Rosas de Ouro, escola de samba do Grupo Especial, seria um dos alvos dos fiscais. Nesta época, a quadra recebe milhares de pessoas durante ensaios realizados até três vezes por semana.

Na lista ainda estão boates famosas, como a D.Edge, na Barra Funda, o Inferno Club, na Rua Augusta, o Santa Aldeia, na Vila Olímpia, e o Carioca Club, em Pinheiros. O critério de escolha das casas não foi divulgado pela corporação - a ordem de checar a documentação dos locais foi dada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), que ordenou priorizar locais com mais de 1.000 m² de área.

Mudança
A partir deste sábado (2), depois de convênio assinado entre os governos estadual e municipal, as fiscalizações vão ter novo perfil. Por determinação do prefeito Fernando Haddad (PT), as equipes serão formadas por um engenheiro do Departamento de Controle de Uso de Imóveis (Contru), um agente vistor da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras e um bombeiro. O grupo terá poder para interditar ou multar o estabelecimento na hora da vistoria, caso seja constatada alguma irregularidade que coloque em risco a segurança dos frequentadores. Inicialmente, as equipes terão como prioridade quatro regiões: Sé, Pinheiros, Vila Mariana e Santo Amaro. Essas subprefeituras são as que reúnem o maior número de casas noturnas, bares e restaurantes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas