Manifestantes discutem fim de ocupação da sede do Instituto Lula em São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Já dura quase 30 horas a ocupação do prédio na zona sul da capital paulista. Na noite de ontem (23), universitários da USP chegaram com sacos para dormir para apoiar o movimento

Agência Estado

Agência Estado

Já dura quase 30 horas a ocupação do prédio do Instituto Lula, na zona sul da capital paulista. Um grupo de sem-terra, com apoio de sindicalistas e estudantes, invadiu o escritório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por volta das 6h30 de quarta-feira após render o caseiro do prédio. Segundo lideranças, cerca de 120 pessoas passaram a noite no local.

Mais: Lula fica 'chateado' com invasão de instituto e muda agenda de trabalho

Agência Brasil
Integrantes do Assentamento Milton Santos, que fica na cidade de Americana, ocupam a sede do Instituto Lula

O prédio do Instituto Lula amanheceu cercado por faixas pedindo que a presidente Dilma Rousseff assine um decreto desapropriando uma área na região de Americana, no interior paulista, onde está localizado o assentamento Milton Santos, lar de 68 famílias. Na manhã desta quinta-feira os invasores realizam reuniões para discutir se deixam, ao meio-dia, as ocupações - tanto do Instituto Lula quanto da sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), invadida no dia 15.

Leia também:
Invasores do Instituto Lula temem novo Pinheirinho em Americana
Sem-terra nega ação política e diz que invasão de instituto é "ato de desespero"

A assentada Roseane dos Santos contou que os invasores dormiram no primeiro andar do prédio, onde fica a recepção, a cozinha e a sala de reuniões. O segundo andar do prédio foi isolado a pedido da direção do Instituto Lula, já que no local fica a sala do ex-presidente. "Lá em cima ninguém tem acesso", disse ela.

No início da noite de quarta-feira o grupo que invadiu o instituto aumentou com a chegada de outros assentados e de estudantes. Por volta das 18h, já se viam estudantes da Universidade de São Paulo (USP), que se dizem apoiadores do movimento, chegando com as suas mochilas e saco de dormir para passar a noite no local.

Segundo testemunhas, o grupo se recolheu por volta das 23h e só voltou à frente do prédio pela manhã. Roseane não soube explicar quantos desses invasores são assentados e quantos são "apoiadores" da ação, mas confirmou que crianças e mulheres grávidas passaram a noite no local.

Hoje pela manhã, os invasores tomaram café da manhã e fizeram a leitura dos principais jornais do País. Segundo Roseane, eles providenciaram a sua própria comida. "Muito do que comemos veio do assentamento". Na quarta-feira, o Incra anunciou que pretende receber os sem-terra hoje, às 17h, com a condição de que eles deixem os dois prédios ocupados. 

Leia tudo sobre: instituto lulasem-terraigspinvasãomst

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas