Lula fica 'chateado' com invasão de instituto e muda agenda de trabalho

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo o diretor-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, Lula iria para ao escritório nesta quarta-feira, mas após invasão decidiu viajar para lugar não divulgado

Agência Estado

Agência Estado

O diretor-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, se reuniu nesta quarta-feira (23) com os invasores da entidade e disse aos jornalistas que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou "chateado" com a ação dos sem-terra. "Relatei o movimento e ele ficou chateado porque o pessoal invadiu e ele teve de mudar a agenda, mas faz parte", disse Okamotto. Segundo ele, Lula iria para ao escritório nesta quarta-feira, mas decidiu viajar para lugar não divulgado.

Leia também:
Invasores do Instituto Lula temem novo Pinheirinho em Americana

Sem-terra nega ação política e diz que invasão de instituto é 'ato de desespero"

Agência Brasil
Cerca de 50 integrantes do Assentamento Milton Santos, que fica na cidade de Americana, ocupam a sede do Instituto Lula, na zona sul da capital paulista

Okamotto ressaltou que o grupo tem a solidariedade do ex-presidente, mas que ele, Okamotto, não concorda com o método dos invasores. "Eles têm a solidariedade do presidente Lula para resolver o problema do assentamento e de todos nós. O que eu não posso concordar é com os métodos que eles estão usando. Eu acho que é inadequado, não pediram sequer uma audiência. Nunca pediRam apoio", reclamou o diretor-presidente do Instituto Lula.

Okamotto afirmou ainda que tudo o que a entidade poderia fazer pelos invasores, além de oferecer "café e água", já foi feito. "Mais do que isso é dizer que o movimento deles está certo, mas que a forma não me parece muito correta."

Ele transmitiu aos sem-terra a disposição da presidência do Incra em recebê-los, desde que eles deixem o Instituto Lula e a sede do Incra em São Paulo. "Por enquanto, estão como nossos convidados aí, mas não podem ser convidados eternos, têm de achar uma solução", disse o diretor-presidente descartando uma medida judicial para a retirada dos invasores neste momento. "A partir de agora é a relação deles com o governo. O nosso papel é só levar os fatos que ocorreram para ver se as autoridades tomam alguma providência", completou.

De acordo com Okamotto, que teve o consentimento dos invasores para entrar no prédio, as instalações estão preservadas. Com essa ação, ele já avisou que pretende mudar os procedimentos de segurança do Instituto Lula para evitar ações semelhantes. "Certamente algumas rotinas terão de ser alteradas."

Leia tudo sobre: instituto lulainvasãomstassentamentoamericanaincra

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas