Prefeitura de SP determina remoção imediata de moradores de área de risco

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Interdições devem ser feitas após avaliação de geólogo e engenheiro em 93 áreas da capital. Em caso de resistência, Policia Militar e Guarda Civil devem ser acionadas

Agência Estado

Agência Brasil
Técnicos da Defesa Civil avaliam danos nos imóveis da região do Jardim Macedônia, zona sul

Em ordem interna emitida nesta quinta-feira aos seus 27 secretários e 31 subprefeitos, o prefeito Fernando Haddad (PT) determinou a remoção imediata de moradores em áreas de risco de São Paulo. As interdições devem ser feitas logo após avaliação de geólogo, engenheiro do governo ou determinação judicial. Caso os moradores não concordem com a interdição, a Polícia Militar ou a Guarda Civil Metropolitana (GCM) devem ser acionadas, segundo determinação do prefeito.

Leia também: Prédios desabam e provocam interdições em bairro da zona sul de SP

As famílias retiradas de suas moradias devem ser encaminhadas para abrigos da prefeitura ou receber bolsa-aluguel de até R$ 500 mensais. Também existe a possibilidade de serem levadas para unidades vazias da Cohab. São 93 áreas de alto risco na capital, mapeadas pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) em 2011, e que devem ser focos do "mutirão" determinado por Haddad.

Leia também: Prefeito de São Paulo define ações antienchentes

Mais: Dilma escala Casa Civil para cuidar de verbas antienchente

O secretário de Coordenação das Subprefeituras, Chico Macena, se reuniu nos últimos dias com técnicos do IPT para avaliar quais são as habitações em encostas e beiras de córregos que precisam ser imediatamente removidas. O combate às enchentes tem dominado as primeiras ações da nova gestão petista na prefeitura.

O uso da PM ou da GCM nas remoções deve ser feito quando moradores em áreas de alto risco se recusarem a cumprir determinação judicial para interdição de suas moradias.

Um dia após tomar posse, Haddad anunciou um plano emergencial antienchente com 16 medidas, entre elas a contratação de um monitoramento diário das áreas de risco da cidade. A limpeza de bocas-de-lobo também passará por alteração. A ordem é fazer o serviço a cada 15 dias, e não a cada três meses, como previsto na gestão anterior.

Leia tudo sobre: fernando haddadantienchenteáreas de risco

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas