Policiais são proibidos de usar farda fora do serviço após ameaças do PCC

Esconder a farda a caminho ou na volta do trabalho virou regra em Guarulhos. Decisão foi anunciada após PCC ameaçar agentes do 15º Batalhão da Polícia Militar

Agência Estado |

Agência Estado

Esconder a farda a caminho ou na volta do trabalho virou regra em Guarulhos. A ordem foi dada depois que o setor de inteligência polícia descobriu que o Primeiro Comando da Capital (PCC) ordenou que integrantes da facção matem dois PMs do 15.º Batalhão em 30 dias - já se passaram 8 desde então. A facção quer vingar dois criminosos mortos em outubro em Guarulhos após um assalto a banco.

Na última noite:  Ex-PM e mais sete pessoas são assassinadas na Grande São Paulo

Em um ano em que 95 PMs foram mortos, os integrantes da corporação já mantinham rotina discreta. Mas, agora, até mesmo usar o uniforme parcialmente é proibido. "O comando proibiu andar de farda ou meia farda, que é só a calça e a bota, na condução, de moto ou a pé para que não sejamos alvos de ataque", disse um cabo do 15.º Batalhão.

Leia notícias sobre ataques à polícia de São Paulo

"A polícia está de luto neste Natal, todo mundo tem um amigo que foi morto", acrescenta o policial. Os PMs dizem que, sem a farda, têm de pagar o ônibus - eles têm direito à gratuidade da passagem quando andam devidamente identificados. O porta-voz da PM, capitão Sérgio Marques, confirmou a proibição. "O objetivo é preservar os policiais de ataques. Principalmente sobre a dobradinha de andar de moto e fardado, que deixa o policial mais vulnerável", diz.

Leia também: Onda de mortes em SP coloca Ouvidoria em crise de legitimidade

Segundo ele, outra medida tomada foi diminuir as folgas para aumentar o efetivo na rua. "Só de equipes das Forças Táticas são 30 em Guarulhos, o que refletiu na diminuição de homicídios", diz Marques. No sábado (01) à noite, mais um PM foi morto. O subtenente da reserva, Luiz Carlos Ribeiro, foi baleado em uma briga de bar, na zona oeste de São Paulo. As mortes de PMs ganharam destaque no mesmo dia no jornal The New York Times.

À tarde, bandidos mataram o ex-PM Claudio Honório de Moraes foi morto em frente a um bar em Guarulhos. Outras cinco pessoas ficaram feridas. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Leia tudo sobre: pccataquesapoliciamortesviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG