Com novas estratégias, PM fica em Paraisópolis por tempo indeterminado

Operação Saturação completa um mês na comunidade da zona sul de São Paulo. Polícia Militar analisa retirada gradual de agentes, mas deve manter policiamento fixo na região

Carolina Garcia - iG São Paulo | - Atualizada às

No aniversário de um mês da Operação Saturação , a comunidade Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, recebeu visita de autoridades da segurança pública do Estado, nesta quinta-feira. Além da divulgação de prisões e apreensões, o coronel Benedito Roberto Meira, novo comandante da Polícia Militar, deixou claro que o policiamento não deixará a comunidade. “Temos novas estratégias e analisamos a retirada gradual do policiamento. Mas, isso não significa vamos abandonar ou sair daqui”, disse Meira.

Após um mês: Operação na favela de Paraisópolis tem 107 presos em SP
Resposta à Anistia:  "Se tem uma Corregedoria que age é a de São Paulo", diz Alckmin

Carolina Garcia/iG São Paulo
Governador Geraldo Alckmin visita Paraisópolis ao lado do coronel Meira e o secretário Grella

Segundo o novo chefe da PM, que assinou termo de posse na última terça-feira (27), a nova ação policial já foi apresentada pela corporação ao governo do Estado. Ainda sem data definida para entrar em operação, a nova fase dividirá Paraisópolis em setores, que contarão com policiamento fixo. “Vamos dividir a comunidade em quadrantes. Cada setor contará com uma viatura durante 24 horas. Reduzimos todos os indicadores criminais e, por isso, estamos prontos para seguir uma nova fase .”

Carolina Garcia/iG São Paulo
Coronel Benedito Roberto Meira, novo comandante da Polícia Militar de São Paulo

O coronel afirmou ainda que outras comunidades serão alvo da Operação Saturação. “A área de inteligência está trabalhando para identificar as áreas que são prioridades para a cidade”. Em 30 dias, 107 pessoas foram presas pela PM – 67 em flagrante , 24 procurados pela Justiça e 16 menores apreendidos. Além disso, foram retirados das ruas 18 armas de fogo, entre fuzis, espingardas, revólveres e pistolas, 407 munições e uma granada.

'Vivemos um momento transitório', diz Alckmin sobre crise na segurança em SP

Nesta manhã, por volta das 11 horas, além de Meira, a comunidade recebeu uma comitiva com o governador Geraldo Alckmin, o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella , e o delegado-geral Luiz Maurício Blazeck.

Reforço policial

Durante um curto passeio pela comunidade, Alckmin falou com moradores e conversou com autoridades sobre a importância da intervenção em Paraisópolis. “O secretário [Grella] tem se empenhado com reuniões diárias com PM e Civil. Com uma boa equipe iremos colher bons resultados, como os que vemos aqui na comunidade”.

O governador voltou a falar sobre o reforço do efetivo de policiais civis e militares, que foi divulgado em coletiva no Palácio dos Bandeirantes, na última terça-feira (27). O Instituto de Criminalistica (IC) ganha um reforço de 80 profissionais, 33 médicos legistas e 47 peritos criminais.

Além disso, o governador ressaltou a chegada de 187 delegados. Outros 137 entraram na academia e estarão prontos para trabalhar em 90 dias. A PM também contará com reforço de 960 agentes formados, que artir de hoje estarão nas ruas da capital paulista.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG