Gilberto Carvalho nega ofensa ao comparar São Paulo à Palestina

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República reitera que não pretendia atacar um "Estado ou um governo" ao citar a onda de violência na capital paulista

Agência Estado |

Agência Estado

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, negou nesta terça-feira que tenha pretendido atacar um "Estado ou um governo" ao comparar a violência em São Paulo ao conflito na Palestina .

Agência Brasil
Carvalho durante entrevista coletiva (arquivo)

Na semana passada, o ministro havia dito que "estava alarmado com os mortos na Palestina e as estatísticas mostram que só na Grande São Paulo você tem mais gente perdida, assassinada, do que num ataque desses". O comentário reabriu o bate-boca entre os governos federal e estadual, com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) considerando que a comparação havia sido "infeliz" e não merecia comentário.

Leia também: SP é negligente no combate à onda de violência, diz Anistia Internacional

Ao participar do evento 'Juventude negra, juventude viva: diálogos governo e sociedade civil' nesta nesta terça-feira, Carvalho retomou o assunto: "Esses dias eu fiz uma fala, que foi um pouco mal interpretada e mereceu até um editorial muito duro num jornal brasileiro, que chamava atenção para o fato de que nós ficamos muito assustados com as mortes que ocorrem no conflito entre Israel e Palestina, na Síria, e no entanto numa mesma noite, às vezes no Brasil, podemos e temos mais mortes do que nesses conflitos".

Veja também: Número de vítimas de homicídios cresce 114% em outubro na capital

"O meu interesse não era atacar um Estado ou um governo, era chamar atenção da sociedade brasileira - e de nós do governo - da nossa responsabilidade perante esse fato. Os números da violência no Brasil contra a juventude não nos deveriam deixar dormir em paz. Não podemos aceitar (isso)", disse o ministro.

Carvalho destacou a concentração de mortes por homicídio entre jovens de 15 a 29 anos, especialmente da juventude negra e do sexo masculino. "Estamos cansados do massacre sofrido, particularmente pela juventude negra em muitos cantos do País. Essas pessoas têm nome, têm filhos, têm pais. Trata-se de uma questão nacional", afirmou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG