Alckmin garante que índices de violência irão cair em São Paulo

Governador promete trabalho "redobrado" para diminuir violência no Estado. Chefes das polícias Civil e Militar assinam termo de posse hoje no Palácio dos Bandeirantes

Agência Estado |

Agência Estado

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) prometeu na segunda-feira (26) trabalho "redobrado" para diminuir a violência na Grande São Paulo. "Não há dúvida de que vamos reduzir os índices e tenho absoluta confiança no trabalho da polícia", afirmou durante evento na Santa Casa de Misericórdia, na região central de São Paulo.

Entenda:  Secretaria de Segurança anuncia novos chefes das polícias de São Paulo

Alckmin elogiou a nova cúpula da Segurança Pública, mas não deu detalhes sobre qual será a estratégia dos responsáveis pelas polícias Civil e Militar para resolver a atual crise no setor. Ele anunciou a contratação de 185 delegados de polícia e a entrada de 138 na Academia de Polícia Civil. "Grande parte deles vai para o setor de inteligência e de investigação", disse Alckmin.

Mais:  Novo secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella toma posse

Nesta terça-feira, por volta das 15h, o governador e o secretário da Segurança Pública, Fernando Grella , recebem os novos chefes das polícias para uma primeira reunião . Após o encontro, o comandante-geral da Polícia Militar, Coronel Benedito Roberto Meira, e o novo delegado-geral da Polícia Civil, Luiz Maurício Souza Blazeck, devem assinar um termo de posse no Palácio dos Bandeirantes.

Legislação

Ao ser questionado sobre uma fuga de adolescentes da Fundação Casa , no domingo (25) em Ferraz de Vasconcelos, o governador defendeu o aumento do limite de internação, que hoje é de três anos, para adolescentes que cometerem crimes graves.

"A punição precisa ser maior, até porque é preciso ter limite", disse. Ele criticou a presença de maiores de 18 anos na Fundação Casa. "Dos que fugiram, três têm mais de 18 anos. O que está fazendo quem tem 19, 20 anos na Fundação Casa, que é para criança e adolescente? Isso é a nossa lei." O governador afirma que atuará para que a legislação mude.

*com AE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG