'Vivemos um momento transitório', diz Alckmin sobre crise na segurança em SP

Governador de São Paulo acredita que o novo secretário de Segurança, Fernando Grella, vai atenuar número de homicídios no Estado em meio a onda de violência

Wilson Lima - iG Brasília |

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (23) que a crise na segurança pública é uma "fase de enfrentamento do tráfico de drogas, mas é transitória". Nos últimos sete dias, 53 pessoas foram executadas em São Paulo, vítimas da onda de violência.

Alckmin esteve em Brasília nesta tarde, participando da cerimônia de posse do ministro Joaquim Barbosa como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). 

Leia mais:  Noite violenta deixa pelo menos 14 mortos e 8 feridos em São Paulo

Leia também: Número de homicídios cresce 114% em outubro na capital paulista

Na quarta-feira, o ex-secretário de Segurança Pública de São Paulo Antônio Ferreira Pinto deixou o cargo por conta da crise. O novo secretário, Fernando Grella Vieira, tomou posse na manhã desta quinta-feira, em cerimônia realizada no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado. Ele disse que um dos objetivos principais neste momento é combater a onda de ataques em todo o Estado. 

São Paulo: Vítima de homicídio teve ficha consultada, diz delegado

Segundo Alckmin, o combate à violência em São Paulo é uma "luta longa, permanente" fruto de um trabalho 24 horas por dia. "O doutor Grella é uma pessoa muito experiente, tem liderança. São Paulo conquistou ao longo desses últimos 12 anos os melhores indicadores do País de criminalidade. Nós temos 10,5 homicídios por 100 mil habitantes, o Brasil tem 23 ( para 100 mil )", comparou o governador.

Ele atribuiu o aumento da violência em São Paulo a uma "fase de enfrentamento do tráfico de drogas e armas, mas que é transitório". "Nós temos 42 milhões de habitantes ( no Estado ), 10 homicídios por 100 mil habitantes, que é o limite da Organização Mundial de Saúde. São 4.200 ( homicídios ) por ano, divide por 365...são 12 homicídios por dia", analisou o governador.

Apesar disso, Alckimin ressaltou. “Não, não acho pouco nem muito (o número de homicídios). Estou só dizendo que São Paulo tem 10. Se nós tivéssemos o índice do Brasil não seriam 12 por dia, seriam 30 por dia”, finalizou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG